Andrea Bocelli: Respeito à cultura e à cidadania

(Foto: Divulgação)

Andrea Bocelli é o máximo!

Os fãs têm absoluta certeza. O tenor mostra em seu trabalho o respeito à cultura de cada país e à cidadania, como exemplos de inclusão e prosperidade.

A turnê do tenor Andrea Bocelli no Brasil aconteceu no final de setembro, celebrando seu aniversário de 60 anos e a entrada da primavera. Renascer e ter esperança.

Bocelli trouxe um exemplo de cidadania, valorizando os jovens de Heliópolis que participam do projeto social do Instituto Bacarelli. São  60  instrumentistas, de idades entre 14 a 25  anos, que compõem a Orquestra  Juvenil  Heliópolis e o  Coral da Gente. Emocionaram. O valor desse trabalho foi reconhecido com a exibição do regente titular, Edilson Ventureli, que foi ao palco reger – ao lado de Bocelli. Uma linda e comovente homenagem a esse trabalho. Os músicos foram ovacionados pelas pessoas e ninguém lembrava que moravam na favela de Heliópolis. São cidadãos do mundo que souberam aproveitar uma oportunidade!

(Foto: Divulgação)

E como expressar o respeito à cultura? O espetáculo começa com Villa Lobos, passa pela Bossa Nova e tem o ápice com a apresentação da cantora Maria Rita, que incorporou a mãe Elis Regina em movimento, emoção e voz. Lindo é pouco! Bocelli cantando “Tristeza” com Maria Rita, renovou me cada um dos espectadores o que de melhor tem (e teve) a música brasileira. Valorização e respeito a cultura do país visitante.

E como reconhecer o trabalho social e humanitário? Antes de começar o show, um vídeo da Fundação Andrea Bocelli mostrou o trabalho social que o tenor mantém em áreas de vulnerabilidade. Vale a visita no site e conhecer esse belo trabalho: https://www.andreabocellifoundation.org/

Só no Haiti, construiu a escola Saint Raphael, para fornecer a educação para mais 450 jovens estudantes e fornece educação, alimentação e cuidados de saúde para 2550 estudantes nas cinco escolas construídas e geridas em conjunto com a St. Luke Foundation. O projeto Mobile Clinic assegurou 8000 consultas médicas para as comunidades mais remotas do Haiti; o projeto Water Truck garantiu a distribuição de 21.000 galões de água potável todos os dias na enorme favela de Cite ‘de Soleil; o projeto de prevenção do HIV no hospital pediátrico de St. Damien apoiou 800 famílias.

Tem ainda o Coral Infantil “Voices of Haiti” em 2017 que fez a primeira turnê na Europa, incluindo uma exposição na Cidade do Vaticano, em frente ao Papa Francisco.

No relatório de 2017, destaca-se: “Gostamos de pensar na ABF como um “laboratório vivo”, que combina de maneira criativa ideias e recursos, e onde cada contribuição é valiosa, pois faz com que tanto o doador quanto o receptor se beneficiem do processo. Em apenas sete anos, a ABF alcançou resultados significativos e captou um total de recursos de € 20 milhões, dos quais € 6 milhões em 2017, 80% já destinados a projetos em andamento. No ano passado, as receitas cresceram em € 1,1 milhão, com patrimônio líquido e liquidez crescendo respectivamente em € 0,7 milhão e 0,6 milhão. O ano terminou com um lucro de € 218.000”.

É possível enxergar como fazer o bem, como incentivar projetos sociais, valorizar a cultura e história de um povo, mostrar que a música erudita e a popular emociona, conta a história e os sentimentos, em qualquer idioma.

Bocelli é um cidadão do mundo que mostra que o caminho é o Amor.