Países africanos se unem para construir muralha de árvores

solo-plantar
(Foto: Freepik)

Enquanto o presidente dos Estados Unidos quer construir um muro para separar americanos de mexicanos, na África, 11 países de uniram para criar um muro gigante de árvores.

Chamada de Grande Muralha Verde, o muro, que terá 8 mil km de comprimento, 15 km de largura e cruza o continente de leste a oeste, tem como objetivo mitigar os efeitos da mudança climática.

Senegal é o país que mais avançou no projeto, com 11 milhões de árvores plantadas. Segundo o líder de um vilarejo no sul do país, Absaman Moudouba, o muro está ajudando a reverter à desertificação e a fome.

“Quando não havia árvores, o vento escavava e desgastava o solo. Mas está mais protegido agora. As folhas viram compostagem e a sombra aumenta a umidade do ambiente – e assim há menos necessidade de água”, afirma.

“Antes, havia fome e seca generalizadas aqui. Então, começou a plantação de árvores e depois um jardim onde as mulheres fazem a cultura agrícola. Antes, as pessoas costumavam migrar, mas agora elas só seguem a linha da Grande Muralha Verde em busca de emprego. Elas não partem mais”, contou Moudouba a BBC.

Iniciativas investem em árvores

Os países africanos não são os únicos chamando a atenção do mundo sobre a importância das árvores para frear o aquecimento global.

O projeto Billion Tree Tsunami plantou 1 bilhão de árvores em 2 anos na província de Khyber Pakhtunkhaw, no noroeste do Paquistão, para reflorestar a área desmatada nas últimas décadas e, consequentemente, combater a mudança climática.

Preocupado com os rumos tomados pelo presidente americano Donald Trump em relação ao meio ambiente, um grupo de amigos decidiu plantar 100 bilhões de árvores até 2025 ao redor do mundo, para neutralizar a emissão de carbono dos Estados Unidos.

Após o presidente americano cancelar programas ambientais, o grupo chamou de o projeto de “Trump Forest” ou “Floresta Trump”. “Só uma pequena porcentagem do planeta votou em Trump, mas todos nós precisamos lidar com as consequências de sua ignorância em relação ao clima”, diz Adrien Taylor, um dos fundadores do projeto.

** Com informações da BBC, Catraca Livre, Hypeness