Fungo amazônico tem potencial para composto químico

cientista
(Foto: Pixabay)

Pesquisadores da Escola Superior de Tecnologia da Universidade do Estado do Amazonas (EST/UEA) descobriram que os fungos endofíticos podem ser usados na produção de biossurfactantes, compostos químicos com diversas aplicações em várias indústrias.

Os endofíticos são encontrados no interior dos tecidos vegetais de duas espécies de plantas nativas da região amazônica, conhecidas popularmente como pimenta-de-macaco e vassourinha.

Para desenvolver os biossurfactantes, os pesquisadores utilizaram como matéria-prima o fungo, óleos residuais de fritura e lubrificante.

O estudo revelou que o biossurfactante produzido tem um ótimo potencial para ser utilizado como um detergente biodegradável criado a partir de um processo natural.

Segundo o coordenador da pesquisa, Dr. Messe Elmer Torres da Silva, os biossurfactantes são largamente utilizados na indústria e realizam um processo de biodegradação, em que os microrganismos atuam para decompor resíduos tóxicos que foram lançados acidentalmente no solo.

O detergente poderia ser utilizado, por exemplo, na recuperação de áreas ambientais atingidas por derramamento de petróleo.

Atualmente, os surfactantes convencionais disponíveis no mercado são sintetizados a partir de derivados de petróleo, o que os tornam tóxicos ao meio ambiente e não biodegradáveis.

Os pesquisadores também constataram que o reaproveitamento de resíduos, óleos de fritura e lubrificante deve contribuir para o desenvolvimento de bioprocessos, o que reduzirá os custos para a aquisição desse bioproduto utilizado em larga aplicabilidade industrial.