USP desenvolve plástico biodegradável com resíduos da agroindústria

(Foto: Divulgação USP)

Pesquisadores da USP de Ribeirão Preto descobriram que resíduos agroindustriais podem ser transformados em um plástico totalmente biodegradável, que se degrada em até 120 dias e com características similares ao convencional.

A química Bianca Chieregato Maniglia desenvolveu filmes plásticos a partir do amido presente nos resíduos de cúrcuma, babaçu e urucum.

Além de ser biodegradável, a produção é sustentável já que recicla resíduos, é produzido com fontes renováveis, tem matéria-prima barata, pode ser feita em qualquer lugar do mundo e ainda.

De acordo com Maniglia, o plástico também contém ativos antioxidantes em sua composição, o que torna a embalagem ativa, ou seja, que “interage com o produto que envolve, sendo capaz de melhorar a qualidade e segurança para acondicionamento de frutas e legumes frescos”.

Os pesquisadores têm trabalhado com a aplicação de aditivos como a palha de soja tratada, outro resíduo agroindustrial, para melhorar as propriedades dos filmes plásticos e aumentar a sua resistência.

Bianca acredita que ainda irá demorar para os plásticos 100% biodegradáveis chegarem ao mercado.

** Com informações do jornal da USP