Microsoft vai sair das nuvens e mergulhar seu data center no oceano para economizar energia

(Foto: Reprodução)

Batizado de Project Natick, a gigante da computação quer construir gigantescos tubos de aço conectados por cabos de fibra óptica no leito do oceano. Outra  possibilidade é posicionar cápsulas metálicas cilíndricas em suspensão abaixo do mar, para capturar as correntes oceânicas com turbinas que geram eletricidade.

A Microsoft poderia operar uma central autônoma de processamento de dados centenas de metros abaixo da superfície do oceano, eliminando o custo do ar-condicionado.

Com isso se ajustaria   às demandas de energia do mundo da computação, combinando o sistema à energia das marés para gerar a eletricidade necessária ao funcionamento do data center.

A empresa já investiu mais de US$ 15 bilhões em um sistema mundial de data centers, que agora responde pelo fornecimento de mais de 200 serviços on-line.

Mais informações aqui.