Projeto usa inteligência artificial para salvar recifes de corais

(Foto: Divulgação)

A Accenture, a Intel e a Fundação Ambiental Sulubaaï, nas Filipinas, desenvolveram o Projeto: CORaiLuma, uma iniciativa que usa inteligência artificial para monitorar, definir e analisar a resiliência dos recifes de corais. 

Há um ano, um recife artificial de concreto – chamado de Prótese do Recife Sulu (SRP, na sigla em inglês) – foi implantado em um recife que cerca a Ilha de Pangatalan, nas Filipinas.

Fragmentos de corais vivos foram implantados na estrutura, onde poderão crescer e se expandir, oferecendo um habitat híbrido para peixes e a vida marinha em geral.

Em seguida, os engenheiros posicionaram câmeras de vídeo submarinas inteligentes equipadas com o recurso Inteligência Aplicada para Serviços de Analytics para Vídeos (VASP) para detectar e fotografar os peixes que passam por lá. 

Os dados são enviados para um painel em terra firme, fornecendo análises e tendências aos pesquisadores em tempo real e facilitando a tomada de decisões baseadas em dados.

Desde a implantação, em maio de 2019, já foram captadas aproximadamente 40 mil imagens, usadas pelos pesquisadores para avaliar a saúde do recife em tempo real.

“A inteligência artificial oferece oportunidades inéditas para resolver alguns dos problemas mais constrangedores causados pelo ser humano”, explica Jason Mitchell, diretor geral para a prática de Communications, Media & Technology da Accenture e principal interface da empresa com a Intel.