2020 pode ter surto de dengue e febre amarela

(Foto: Pixabay)

O Ministério da Saúde emitiu um alerta de que 2020 pode ter epidemia de febre amarela e das doenças transmitidas pelo Aedes aegypti.

Entre julho de 2019 e 08 de janeiro deste ano, foram notificadas 1.087 mortes suspeitas de macacos em todo o país, de acordo com o último boletim epidemiológico divulgado pela pasta.

Ao menos 38 macacos morreram nos estados da Regiões Sul e Sudeste, sendo 34 no Paraná, três em São Paulo e um em Santa Catarina. Em humanos, houve a notificação de 327 casos suspeitos de febre amarela. Destes, 50 permanecem em investigação e um foi confirmado.

“O alerta se dá porque as regiões possuem grande contingente populacional e baixo número de pessoas vacinadas, o que contribui diretamente para os casos da doença”, diz o Ministério da Saúde

Os estados do Nordeste, o Espírito Santo e o Rio de Janeiro estão ameaçados de ter um surto de dengue a partir de março. No ano passado, o país registrou 1.544.987 casos de dengue, com 782 mortes, um aumento de 488% em relação a 2018.

Atualmente, quatro sorotipos estão em circulação no Brasil: 1, 2, 3 e 4. Segundo o coordenador-geral de vigilância em arbovirose do Ministério da Saúde, Rodrigo Said, a intensidade de circulação do vírus se alterna e quando há uma mudança, os surtos de dengue costumam ocorrer.

As epidemias de dengue no país eram causadas pelos sorotipos 1 e 4. Mas em 2018, as regiões Centro-Oeste e o Sudeste, passaram a ser afetadas pelo sorotipo 2, que não circulava na região desde 2008.

A mudança na circulação dos vírus, as altas temperaturas e as chuvas intensas criam um momento propício para a proliferação do mosquito. Outro fator importante é que a doença costuma a alternar biênios de alta e baixa incidência.

Em relação a zika, o número de casos ainda está baixo no Brasil, mas o vírus circula em todos os estados, com exceção do Acre. Por isso, gestantes devem ficar em alerta de infecção. Não há previsão de um novo surto de chikungunya para 2020.

Vacinação

O Ministério da Saúde anunciou mudanças no Calendário Nacional de Vacinação para 2020. A vacina contra a febre amarela pode ser tomada por pessoas a partir de nove meses até 59 anos de idade e crianças deverão ter um reforço aos quatro anos.

A vacinação também será expandida para 1.101 municípios dos estados do Nordeste que ainda não faziam parte da área de recomendação para a vacina.

De acordo com a pasta, foram adquiridas 71 milhões de doses da vacina, quantidade suficiente para atender o país por mais de três anos. Em 2019, mais de 16 milhões de doses da vacina foram distribuídas para todo o país.