Anvisa aprova o início da terceira fase de vacina contra a dengue

(Foto: Moacyr Lopes Junior / Folhapress)

A Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) autorizou o Instituto Butantan a iniciar a terceira e última fase de testes da vacina contra a dengue, após a análise dos resultados do desenvolvimento clínico da segunda etapa.

Com a aprovação da Anvisa, os testes devem começar até o final do mês com 17 mil voluntários, entre crianças, adolescentes e adultos, em 14 centros de pesquisa do país. Cada voluntário, com ou sem histórico da doença, será vacinado e um grupo será escolhido para receber placebo – um dos mecanismos utilizados para comparar os dados de eficácia da substância. Em seguida, todos os participantes serão submetidos a exames para monitorar o progresso da vacina. Estima-se que a terceira fase de testes seja finalizada em um ano.

A vacina desenvolvida pelo Instituto Butantan é feita à base de vírus da dengue atenuado e tem como objetivo fornecer uma proteção imunológica maior e perene, a partir de uma única dose. Em comparação as outras pesquisas, como a da Fiocruz e GSK Biomanguinhos, a vacina do Butantan é a única no terceiro estágio de testes.

O desenvolvimento:

O processo de desenvolvimento de uma vacina é realizado em três etapas: Pré-Clínica, Fases de Teste e Distribuição. Em um primeiro momento, a substância desenvolvida é testada em animais, como camundongos e macacos, para verificar a sua toxicidade. Se os resultados forem positivos, a vacina segue adiante, se forem negativos, a sua composição deve ser modificada.

Quando a vacina passa pela fase Pré-Clínica, os primeiros testes em seres humanos começam a ser realizados, sendo divididos em três fases. A primeira é realizada para verificar se a substância é segura; a segunda fase, realizada com poucos voluntários, tem como objetivo checar se há a possibilidade da vacina funcionar. Se o resultado for positivo, a terceira etapa é feita com milhares de pessoas para avaliar a eficácia da vacina.

Quando os cientistas aprovam todos os itens, a vacina é avaliada e licenciada para produção e comercialização ou distribuída em todo o país.

** Com informações do jornal Folha de S.Paulo