Zika vírus entra na mira da OMS

(Foto: Reprodução/ Associated Press)

Com casos de zika vírus e microcefalia em pelo menos 18 países, a Organização Mundial da Saúde (OMS) pediu para que todos os governos monitorem os eventuais casos das doenças e informem a entidade quando novos pacientes forem identificados. O objetivo é evitar que o vírus se prolifere em outros continentes e ocorra uma epidemia global.

Em pronunciamento oficial, o porta-voz da OMS, Christian Lindmeier, afirmou que ainda não se sabe como a doença viaja, se uma pessoa pode contaminar a outra e a qual a fonte do vírus.

A entidade ainda alertou que todos os turistas devem se proteger com métodos tradicionais, como repelentes e camisas de manda larga. Porém a OMS não recomendou que as pessoas deixem de viajar para países com a doença, como o Centro de Controle e Prevenção de Doenças dos Estados Unidos advertiu na semana passada, após a confirmação do primeiro caso de zika no país.

O zika vírus é apontado como o principal fator para o aumento nos casos de microcefalia. Segundo Lindmeier, ainda não foi possível estabelecer uma relação direta entre o vírus e a microcefalia e por isso “a sua origem precisa ser investigada”.

Até o momento, foram registrados 3.500 casos de microcefalia no Brasil, que causa a má-formação do cérebro.

** Com informações do Estadão