Brasil exporta alimentos com agrotóxicos proibidos na Europa, diz estudo.

Fresh fruit on plate Isolated on white
(Foto: Freepik)

Enquanto a União Europeia limita a quantidade máxima que pode ser encontrada do herbicida glifosato na água potável em 0,1 miligramas por litro, o Brasil permite até 500 vezes mais.

O Brasil tem, segundo o estudo, 504 agrotóxicos de uso permitido. Desses, 30% são proibidos na União Europeia –alguns há mais de uma década.

“É fantástica a contradição da União Europeia: proíbe determinados agrotóxicos e importa produtos agrícolas brasileiros produzidos com os mesmos agrotóxicos que proíbe”, enfatiza José Pedro Santiago, um dos mais renomados agrônomos e consultor do setor orgânico.

A pesquisa – “Geografia do Uso de Agrotóxicos no Brasil e Conexões com a União Europeia” – foi lançada na última segunda-feira (27/11) pelo Laboratório de Geografia Agrária da Universidade de São Paulo (USP). A professora Larissa Mies Bombardi vem trabalhando os dados há anos, no Brasil e no Reino Unido. E os apresenta em forma de mapas. O trabalho pode ser baixado aqui – https://drive.google.com/file/d/1ci7nzJPm_J6XYNkdv_rt-nbFmOETH80G/view

A professora Larissa Bombardi traçou um cruel retrato sobre o uso indiscriminado de agrotóxico na agricultura brasileira e mostra como no mundo o discurso é diferente da prática e podemos analisar apenas um item: a soja. O Brasil exportou para 16 países da Europa mais de 13 milhões de toneladas de soja em 2016. Em grão, triturada, óleo ou farelo. Essa soja foi produzida com nada menos que 150 agrotóxicos diferentes, sendo que 35 deles são proibidos na União Europeia (como na Holanda, Alemanha, Espanha e França que são os principais importadores). A área cultivada com soja no Brasil ultrapassa 33 milhões de hectares. O atlas lançado pela professora Larissa Bombardi mostra que isso representa 10,9 vezes o tamanho da Bélgica, ou 3,6 vezes o tamanho de Portugal.

O Trabalho da Prof Larissa Bombardi é muito importante para entender como estamos nos envenenando, como o comércio mundial de alimentos deveria priorizar a segurança alimentar e como precisamos ter mais informações sobre o uso de agrotóxicos e as consequência na poluição ao ar, água e solo.

O Atlas encontra-se no formato digital para download gratuito no link: https://drive.google.com/file/d/1ci7nzJPm_J6XYNkdv_rt-nbFmOETH80G/view  , ou para compra no formato impresso, a partir do dia 11/12/2017, no blog: https://www.larissabombardi.blog.br/atlas2017