Mais de 700 km do Pantanal sofrem com efeitos de agrotóxicos

(Foto: Pixabay)

De acordo com pesquisadores de seis instituições de ensino nacionais e internacionais, a biodiversidade da bacia do Alto Paraguai está comprometida por conta do desmatamento e contaminação por defensivos agrícolas. Os profissionais consideram a influência do uso de agrotóxicos, inseticidas e herbicidas em atividades agropecuárias sobre a flora e fauna do Pantanal mato-grossense.

No total, 10 áreas serão estudadas, distribuídas entre a nascente do Rio Paraguai e o Parque Nacional do Pantanal. A equipe de pesquisadores irá percorrer aproximadamente 700 km de Pantanal, com pontos de amostragem montados a cada 70 km.

As pesquisas são conduzidas por cientistas da Universidade do Estado de Mato Grosso (Unemat), Universidade Federal de Mato Grosso (UFMT), Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ), Universidade do Estado do Rio de Janeiro (UERJ), Universidade de East Anglia, no Reino Unido, e Instituto Chico Mendes de Conservação da Biodiversidade (ICMBio).

Além do meio ambiente, a equipe vai estudar populações de mamíferos, aves, anfíbios, répteis, peixes e botânica. Também será analisada a relação da perda da biodiversidade com a incidência de casos de leishmaniose e Doença de Chagas. O estudo vai contribuir com informações relevantes para a tomada de decisões e estabelecimento de políticas públicas.

Para mais informações, acesse o site do Agro Olhar.