MAPA libera o registro de mais 38 agrotóxicos genéricos.

avião pulverizando a plantação
(Foto: Pixabay)

O Departamento de Sanidade Vegetal e Insumos Agrícolas do Ministério da Agricultura (MAPA) publicou, nesta terça-feira (31), a liberação de mais 38 agrotóxicos genéricos para o uso dos agricultores, sendo 13 biológicos. Todos os produtos utilizam ingredientes ativos já registrados anteriormente no país.

Dos 13 produtos biológicos, 11 são compostos por microrganismos, como a Beauveria bassiana, o Bacillus amyloliquefaciens ou o Metarhizium anisopliae. Os três são agentes biológicos de controle de pragas que atacam os cultivos brasileiros. Outro produto utiliza a vespa Cotesia flavipes para o controle biológico da broca da cana-de-açúcar; e um outro produto de baixo impacto que utiliza um óleo extraído da planta Azadirachta indica de origem indiana conhecida como Neem e tem efeito natural inseticida.

Além do extrato de Neem, outros quatro produtos dos defensivos biológicos estão autorizados para uso no controle de pragas de cultivos orgânicos.

Já são 235 novos agrotóxicos publicados em 2020. 45 são produtos considerados de baixo impacto (biológicos e orgânicos), Os outros registros são de genéricos, sendo 103 ingredientes químicos de agrotóxicos que são vendidos aos agricultores e 87 princípios ativos para a indústria formular agrotóxicos.

“A priorização de processos de registro de produtos de baixo impacto resultou na diminuição considerável do tempo de análise e registro desses produtos. Para obtenção de um registro de um produto biológico ou microbiológico leva-se em média oito meses, ao passo que a análise e registro de um produto químico convencional tende a levar, na média, mais de quatro anos”, explica Bruno Breitenbach, coordenador-geral de Agrotóxicos e Afins.