MP gaúcho pede suspensão de agrotóxico maléfico as abelhas

avião pulverizando a plantação
(Foto: Pixabay)

A Promotoria de Justiça de Defesa do Meio Ambiente de Porto Alegre pediu ao governo do Rio Grande do Sul que suspenda a autorização do agrotóxico fipronil.

O inquérito pretende prevenir novos danos ambientais irrecuperáveis causados pela aplicação do produto no campo.

O fipronil é apontado como responsável pelo extermínio de abelhas no estado. Estima-se que entre outubro de 2018 e março deste ano, foram exterminadas 400 milhões de abelhas em colmeias de 32 cidades gaúchas.

A substância entrou na mira do MP do Rio Grande do Sul em 2017, quando foi banido na União Europeia. 

A liberação de novos agrotóxicos pelo governo federal também é uma preocupação apontada pelo MP. Dos 290 agrotóxicos liberados desde janeiro, pelos menos 21 são nocivos às abelhas. Doze são neonicotinoides, três da classe da fenilpirazol e seis são sulfoxaminas.

O fipronil e o sulfoxaflor são considerados mais perigosos que os neonicotinoides, que também estão diretamente associados a extermínio de abelhas.

** Com informações da Rede Brasil Atual