Consumidores querem mais acesso a alimentação sustentável

(Foto: Caleb Stokes/ Unsplash)

Preço, falta de conhecimento, informações pouco claras e uma escolha limitada de opções sustentáveis impedem os consumidores de comer de maneira mais sustentável. A conclusão é de um estudo realizado pela Organização Europeia de Consumidores (BEUC, sigla em inglês).

A pesquisa entrevistou consumidores em 11 países europeus sobre os impactos das escolhas alimentares no meio ambiente, a redução de carne vermelha e as políticas governamentais para promover alimentos sustentáveis.

Segundo a diretora geral do BEUC, Monique Goyens, o levantamento foi realizado dois meses antes da pandemia de Covid-19.

O estudo mostrou que os consumidores subestimam o impacto de seus próprios hábitos alimentares no meio ambiente, apesar da maioria estar ciente dos impactos do sistema alimentar.

Dois terços dos entrevistados afirmaram que estão dispostos a mudar seus hábitos alimentares, desde que alimentos sustentáveis sejam mais acessíveis, tenham mais opções de produtos e com um preço melhor.

O preço é a principal barreira para uma alimentação sustentável em quase todos os países. Mais de 40% dos consumidores pararam de comer carne vermelha ou reduziram o consumo por causa de preocupações ambientais.

Os consumidores aceitam melhor hambúrgueres à base de plantas e comida vegetariana tradicional do que alimentos feitos a partir de insetos ou cultivados em laboratório, como fonte alternativa de proteína.

Em relação ao governo, apenas 16% consideram que o seu país está fazendo o suficiente para incentivar a sustentabilidade dos alimentos nos níveis de produção e consumo.

Clique aqui para ler o relatório completo.