Empresa de lanches naturais é processada por usar agrotóxicos

(Foto: Reprodução/ Facebook Pret a Manger)

A empresa britânica de fast-food, Pret a Manger é processada nos Estados Unidos, por marketing “enganoso”, ao rotular e comercializar produtos como “naturais”.

Testes em laboratórios encontraram vestígios de glifosato em biscoitos de aveia, salada de ovo, sanduíches de rúcula e outros produtos feitos com o pão de celeiro de nove grãos da empresa.

Um levantamento feito pela Associação de Consumidores Orgânicos (OCA, sigla em inglês) constatou que os consumidores esperam que produtos rotulados como “naturais” não tenham a presença de agrotóxicos.

As ações judiciais seguem a vitória da OCA, a GMO-Free USA e outras organizações em agosto, que forçou as barras de granola da Nature Valley a remover o rótulo “100% natural” depois que resíduos de glifosato foram encontrados no produto.

No ano passado, a Pret foi censurada pela Advertising Standards Authority no Reino Unido por alegar que seus produtos não continham “produtos químicos, aditivos e conservantes obscuros” usados ​​por seus concorrentes.

A Pret a Manger se recusou a comentar o caso.

Os processos contra a empresa também surgem após Natasha Ednan-Laperouse, de 15 anos, morrer durante um voo do Reino Unido para a França, em 2016, ao comer um sanduíche da empresa e ter uma reação alérgica a gergelim. A embalagem do produto não informava a presença do ingrediente na massa do pão.

Um ano antes do falecimento de Laperouse, a empresa já havia sido notificada 21 vezes sobre reações alérgicas similares causadas pelos seus produtos.

Na União Europeia, empresas de alimentos são obrigadas por lei a alertar os consumidores sobre os riscos de alergia de 14 ingredientes alergênicos por símbolos em embalagens ou através de um funcionário no local de venda.

** Com informações do The Guardian e do The Independent