Alimentação

Indústria vai diminuir sódio de alimentos processados

O Ministério da Saúde firmou acordo com a Associação das Indústrias da Alimentação (ABIA) para redução de sódio em vários produtos, sendo que em três anos será retirado 21% de sal dos alimentos e até 2020 isso significará 28,5 mil toneladas de sal a menos.

Esse acordo faz parte da segunda etapa do Plano Nacional de Redução de Sódio em Alimentos Processados que conseguiu reduzir em até 10% o teor de sódio presente em 839 produtos da categoria bolos, snacks (batata-palha e salgadinhos de milho), maioneses e biscoitos.

O comunicado do Ministério da Saúde informa que a maior redução foi observada na categoria rocamboles, com queda de 21,11% no teor de sódio, seguido pela mistura para bolo aerado – 16,6% – e maionese, com queda de 16,23%. Todas as demais categorias também registram queda: bolos prontos sem recheio (15,8%); bolos prontos com recheio (15%); batata frita e batata palha (13,71%); biscoito doce (11,41%); salgadinho de milho (9,4%); biscoito doce recheado (6,48%); mistura para bolo cremoso (5,9%); e biscoito salgado (5,08%).

E a gente nem imaginava que tinha tanto sal nesses produtos. Imagina 21% a menos nos rocamboles?!

Segundo a Pesquisa de Orçamentos Familiares (POF/IBGE) de 2008, o consumo de sódio do brasileiro excedia em mais de duas vezes o limite máximo recomendado pela OMS, de cinco gramas por dia. A média nacional é de 12 gramas. Sendo assim, a redução do teor de sódio, até 2020, teria impacto direto nos gastos do SUS e na saúde dos brasileiros, garantindo redução de 15% dos óbitos por AVC e 10% por infarto. Além de 1,5 milhão de pessoas livres de medicação e um aumento de quatro anos na expectativa de vida  para os hipertensos.