Símbolos familiares nos rótulos ajudam a entender informações nutricionais

(Foto: Freepik)

Usar símbolos familiares nos rótulos de alimentos facilita a interpretação das informações nutricionais pelos consumidores. A constatação é de um estudo publicado na revista científica internacional Food Quality and Preference.

A pesquisa, feita pela Embrapa Agroindústria de Alimentos, buscou investigar o efeito de diferentes modelos de rotulagem nutricional na percepção do consumidor brasileiro sobre a saudabilidade de alimentos industrializados.

De acordo com a pesquisa, semáforos, lupa, círculo, triângulo e octógonos, pretos ou coloridos, chamam mais a atenção dos consumidores, sendo mais eficazes para alertar sobre a composição nutricional de alimentos, do que símbolos desconhecidos.

Em relação à cor, os sinais pretos parecem exigir menos tempo para serem detectados quando incluídos nos rótulos coloridos dos alimentos, em comparação aos sinais vermelhos.

(Foto: Divulgação/ Embrapa)

A pesquisa foi dividida em duas fases. A primeira avaliou o tempo de captura e de processamento das informações constantes nos rótulos de alimentos por 62 consumidores brasileiros, com idade entre 18 e 60 anos. Foram trabalhadas oito categorias de produtos: bolo, néctar de laranja, lasanha congelada; barra de cereal; cereal matinal; achocolatado; iogurte; e salgadinho de milho.

O resultado da primeira fase indicou que os participantes precisaram de um tempo mais longo para identificar a presença do esquema de rotulagem quando a embalagem continha o círculo vermelho, seguido pela %VD. O triângulo preto foi visto mais rapidamente.

Em relação à tarefa de indicar corretamente o produto com alto teor de açúcar, gordura ou sódio, os consumidores precisaram de mais tempo para identificar e os menores tempos foram verificados para as embalagens com o octógono preto e triângulo preto.

A segunda parte da pesquisa utilizou um questionário on-line respondido por 1.932 consumidores brasileiros com mais de 18 anos, para avaliar a interpretação dos consumidores sobre diferentes esquemas de rotulagem adotados no mundo nas mesmas oito categorias de produtos usadas na primeira fase.

O sistema %VD (tabela nutricional) possibilitou o menor número de respostas corretas, enquanto o semáforo nutricional e os modelos de alertas círculo vermelho, triângulo preto e octógono preto obtiveram o número mais elevado de respostas corretas.

“Observamos que a capacidade de o consumidor identificar o produto mais saudável entre as alternativas apresentadas foi significativamente afetada pela categoria do produto, o seu tipo e esquema de rotulagem nutricional, bem como suas interações, e que o atual modelo adotado no Brasil é o menos efetivo”, afirma Rosires Deliza, pesquisadora da Embrapa.

A pesquisa será usada pela Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) no processo de revisão do marco regulatório de rotulagem nutricional.