Campanha de vacinação contra a febre amarela termina na sexta

(Foto: Divulgação/ Prefeitura de Pitangueiras)

Na próxima sexta-feira (02), termina a campanha de vacinação contra a febre amarela no estado de São Paulo.

De acordo com o balanço preliminar da Secretaria Estadual de Saúde, 4.100.654 de pessoas, cerca de 37% do público-alvo, foram imunizadas até a última sexta-feira (23). Do total, 3.939.608 paulistas receberam a dose fracionada.

A Baixada Santista é a região com menor cobertura vacinal, com 31,1% do 1,5 milhão do público esperado para tomar a vacina. A capital atingiu 54,3% da cobertura, com mais de 1,8 milhão de moradores, seguida pelo Vale do Parnaíba e o Litoral, com 41,2% de cobertura, e o Grande ABC, com 41,1%.

Desde 25 de janeiro, a dose fracionada da vacina está sendo aplicada em 54 municípios. O Ministério da Saúde optou pela divisão da dose para ampliar a imunização, principalmente, nas áreas de risco.

A baixa adesão a campanha preocupa as autoridades por propiciar a expansão da doença. Entre os dias 16 e 23 de fevereiro, foram confirmados 246 casos e 93 mortes no estado, um aumento de 21,7% e 22,3%, respectivamente, em uma semana.

Para tentar aumentar o número de pessoas vacinadas, a prefeitura da Praia Grande ampliou a vacinação de oito para 27 unidades da cidade. O objetivo é imunizar, pelo menos, 170 mil moradores nesta última semana.

Obstáculo

A circulação de notícias falsas nas redes sociais sobre a eficácia da vacina é o principal obstáculo da campanha, de acordo com o Ministério da Saúde. Apenas 25% do público-alvo dos estados de São Paulo e do Rio de Janeiro, por exemplo, foram imunizados. A campanha contra a febre amarela ocorre em 21 estados.

A vacina

A vacina é a principal forma de prevenção da febre amarela e é recomendada a adultos, que devem tomar uma única dose, e em crianças, sendo uma dose aos 9 meses e outra dose de reforço aos 4 anos.

Apesar de a vacina ser considerada segura, a vacina não é recomendada a: gestantes, idosos, pessoas em quimioterapia ou em determinados tratamentos de saúde e que estão como a imunidade baixa pelo risco de reações graves ao medicamento.