Impacto dos lixões na saúde e no meio ambiente pode ser de 3 bilhões de dólares

(Foto: Reprodução)

A ISWA (sigla em inglês da Associação Internacional dos Resíduos Sólidos) divulgou estudo inédito sobre os impactos do adiamento da Política Nacional dos Resíduos Sólidos (PNRS) no Brasil: em cinco anos serão gastos US$ 1 bilhão e 850 milhões em tratamentos de saúde e US$ 2 bilhões e 100 milhões em danos ambientais.

O estudo, apresentado pelo Presidente do Comitê Técnico Científico da ISWA, Antonis Mavropoulos, mostra que parlamentares e governantes não têm sido sensíveis aos números que são alarmantes: 22 milhões de toneladas de lixo (equivalente a seis vezes o Central Park), 64 milhões de pessoas impactadas no entorno dos lixões (raio de 10 Km) que vão custar US$ 370 milhões por ano só para tratamento de saúde.

A emissão de gás carbônico é um dos maiores danos ambientais, algo em torno de 10% das emissões totais.

“Esse é o momento ideal para que a sociedade e os parlamentares saibam o enorme problema que o lixo produz e os impactos ambientais e de saúde. Com as metas da Agenda de Desenvolvimento Sustentável, divulgada ontem pela ONU, e o compromisso do governo brasileiro em reduzir a emissão de gases do efeito estufa, é preciso conscientizar que todos precisam produzir menos lixo e se mobilizar para que os lixões acabem”, explicou Carlos Silva Filho, presidente da Abrelpe e vice-presidente da ISWA.

(Foto: Reprodução)
(Foto: Reprodução)

O presidente do Sindicato das Empresas de Limpeza Urbana no estado de S.Paulo (SELUR), Ariovaldo Caodaglio, foi enfático: “Não dá mais para o cidadão achar que passa o caminhão do lixo e o resíduo desaparece. Custa muito dinheiro dar um destino correto. É preciso investir em campanhas de reciclagem e em programas que façam o cidadão cobrar o que pagam de impostos e taxas para o bem comum. O lixo é um grande problema que o brasileiro ainda não enfrentou”.

(Foto: Vera Moreira)
(Foto: Vera Moreira)

O estudo completo foi divulgado pela SELUR, ABRELPE e ISWA. Interessados podem pedir ao Organics News Brasil (redacao@organicsnewsbrasil.com.br)