Ministério da Saúde amplia público-alvo de vacinas e antecipa campanha contra gripe

(Foto: Thinkstock/ Getty Images)

Nesta sexta-feira (03), o Ministério da Saúde anunciou que será ampliado o público-alvo de seis vacinas: Tríplice viral, Tetra viral, dTpa adulto, HPV, meningocócica C e hepatite A. O objetivo é aumentar a proteção de crianças e a imunidade de adolescentes, além de diminuir a circulação de doenças na população.

As vacinas contra hepatite A e a tetra viral, que protege contra sarampo, caxumba, rubéola e varicela, passam a ser disponibilizadas para crianças com 15 meses até cinco anos. Antes, a idade mínima era de até dois anos.

O Programa Nacional de Imunizações (PNI) recomenda a vacinação das crianças com a tríplice viral (sarampo, Caxumba e rubéola) aos 12 meses de idade (primeira dose) e aos 15 meses com a tetra viral (segunda dose com a varicela).

O novo calendário também modifica as vacinas contra o HPV e a meningite C, que passam a ter o público-alvo ampliado entre os jovens. Antes, a vacina contra o HPV era indicada apenas para meninas de 9 a 13 anos e desde o início deste ano, a imunização está disponível também para meninos de 12 e 13 anos e meninas de até 14 anos.

Ainda este ano, a vacina contra o HPV também será oferecida para homens vivendo com HIV e Aids, com faixa etária entre 9 e 26 anos de idade, e para imunodeprimidos, como transplantados e pacientes com câncer. Desde 2015 as mulheres que vivem com HIV/Aids recebem a vacina.

A vacina meningocócica C conjugada passa a ser oferecida a adolescentes de 12 a 13 anos. A faixa-etária será ampliada, gradativamente, até 2020, quando serão incluídas crianças e adolescentes de 9 a 13 anos.

Em relação aos adultos, o Ministério da Saúde modificou a faixa etária recomendada para duas vacinas: a dTpa, que protege contra difteria, tétano e coqueluche, e a tríplice viral, indicada contra sarampo, caxumba e rubéola.

Antes recomendada para grávidas entre a 27ª e 36ª semana de gestação, a dTpa passa a ser ofertada a partir da 20ª semana ou até 45 dias após o parto. O objetivo é aumentar a proteção dos bebês e mães contra coqueluche, devido ao aumento no número de casos no país.

Já a tríplice viral, terá sua segunda dose ofertada para adultos de até 29 anos ou uma só dose para quem tem de 30 a 49 anos. Antes a vacina era ofertada em duas doses, uma na infância e outra até os 19 anos ou em uma dose de 20 a 49 anos.

Governo antecipa campanha nacional contra gripe

O Ministério da Saúde também anunciou que a campanha nacional de vacinação contra a gripe terá início no dia 10 de abril, para profissionais de saúde, e 17 de abril, para o público-alvo.

A antecipação do começo da campanha tem como objetivo tentar evitar um novo aumento de casos fora do período esperado e sem que a população esteja protegida.

A campanha também será estendida para professores do ensino básico e superior de instituições públicas e privadas. O restante do público-alvo é composto por pessoas com 60 anos ou mais, crianças de seis meses a menores de cinco anos, gestantes, puérperas, povos indígenas, portadores de doenças crônicas, adolescentes de 12 a 21 anos que cumprem medidas socioeducativas, presos e funcionários do sistema prisional.