Tratamento inédito reduz ronco

O ronco é um fator comum e atinge mais da metade dos adultos, que tem entre as possíveis causas: a Síndrome de Apneia Obstrutiva do Sono (SAOS – doença crônica que causa paradas respiratórias de no mínimo 10 segundos em adultos), rinite, amídalas atrofiadas ou doenças cardiovasculares.

O ronco é provocado pelo bloqueio parcial da passagem do ar pelas vias respiratórias durante o sono. Quando o som é intenso, pode ser sintoma de algum problema de saúde.

(Foto: Clínica Dente de Leite)
(Foto: Clínica Dente de Leite)

Pesquisadores do Laboratório do Sono, do Instituto do Coração (InCor), elaboraram um tratamento que promete melhorar a qualidade de vida das pessoas que roncam. Os resultados, publicados pela revista científica CHEST, mostram que a freqüência do ronco diminui em 36% e a sua potência em 60%.

O estudo realizado com 39 pacientes, com idade entre 20 e 65 anos, só foi possível com o uso do “roncômetro” – aparelho criado em parceria com a USP para medir a freqüência e a intensidade do ronco.

De acordo com o pneumologista Geraldo Lorenzi Filho – orientador do trabalho – a pesquisa é inédita e não há registro científico de um tratamento que seja eficaz e que se adapte ao cotidiano do paciente. A terapia é simples e foi desenvolvida pela fonoaudióloga Vanessa Leto: fazer seis tipos de exercícios, três vezes por dia, que podem ser feitas durante o trabalho ou no caminho para casa.

Fique atento! Roncar não é sinal de sono reparador.

Para ler o artigo científico sobre o tratamento desenvolvido pelo InCor, acesse:

http://journal.publications.chestnet.org/article.aspx?articleid=2292637&resultClick=1 (o trabalho está em inglês)