Você sabia que existe a Ecologia médica?

imagem- Google

É a natureza como recurso de promoção da saúde.

Com a proposta de devolver ao ser humano a sensibilidade e de resgatar hábitos alimentares mais adequados, aliando uma postura física mais equilibrada e uma atitude de vida mais realizadora, a ecologia médica oferece às pessoas a oportunidade de reconhecerem a interdependência dos fenômenos e seres vivos.

Com essa prática, o homem é visto como parte integrante da natureza e consegue perceber que a verdadeira realização e felicidade são fenômenos coletivos, isto é, só são atingidos quando todos os seres estiverem desfrutando igualmente o bem-estar e a harmonia.

O Centro de Estudos do Envelhecimento, do Departamento de Medicina Preventiva da Escola Paulista de Medicina da Unifesp, vem resgatando a faceta não física da realidade e principalmente as correlações entre as várias áreas do conhecimento, por meio da interdisciplinaridade, conceito que resgata a visão universal da realidade. A ecologia médica tem como prioridade recuperar a sensibilidade, para que os indivíduos possam reconhecer o que de fato necessitam, não só em termos alimentares, mas também nas atividades sociais, profissionais e afetivas”.

Cuidar da natureza para cuidar de si mesmo

A ecologia médica fomenta a ação ambiental com a preservação da natureza e a produção de alimentos de forma mais harmônica e orgânica, ao contrário da agricultura mecanizada, que produz solos micro desnutridos e envenenados por agrotóxicos.

Dentre as propostas da ecologia médica, uma delas está sendo alvo de um projeto de pesquisa elaborado pelo Centro de Estudos do Envelhecimento da Unifesp com a criação de uma abordagem que promova um envelhecimento saudável, integrando práticas médicas convencionais com homeopatia, terapêutica antiestresse, reorganização postural e alimentar.

Uma outra iniciativa é o atendimento médico focado na educação ambiental destinado a populações rurais ou habitantes que vivem em torno de reservas. Por meio dessa prática são prescritas plantas vivas, isto é, o paciente recebe as mudas das plantas que ele deverá cultivar no fundo de sua casa para produzir seu próprio remédio.