Toyota quer extrair hidrogênio do ar para seus veículos

(Foto: Divulgação)

Hoje levantamos três assuntos diferentes, mas que se relacionam com a mobilidade de energia limpa e sustentável. Envolvem Toyota, GM, Tesla e startups que combinam
baixo investimento e demandas de gigantes.

A direção da empresa quer explorar a forma de produzir hidrogênio diretamente a partir do ar, através de um dispositivo que absorve o vapor da água e separe diretamente hidrogênio e oxigênio, através da energia solar. Assim a energia é liberada em forma de eletricidade, emitindo resíduo de vapor d’água.

O primeiro protótipo teve rendimento de 70% equivalente a um dispositivo comum de obtenção de hidrogênio a partir da água, através de um sistema de membranas de eletrólitos, foto elétrodos porosos e materiais absorventes de água que, quando combinados, formam um dispositivo especial integrado.

Balsa cargueira 100% elétrico pronta pra navegar

(Foto: Divulgação)

O estaleiro holandês Port-Liner irá lançar ainda este ano o primeiro cargueiro 100% elétrico sem emissão de poluentes do mundo. Apelidado de “navio Tesla”  tem baixa autonomia, apenas 15h, e só opera em águas fluviais.

A projeção é de que a embarcação tire de circulação 23 mil caminhões por ano. O barco terá 52 metros de comprimento; 6,7 metros de largura, 8% a mais de espaço para carga. O plano inicial da Port-Liner é de construir os cinco primeiros barcos menores, capazes de levar 24 contêineres, e depois iniciar o projeto de outros seis, que poderão levar até 280 contêineres.

Pequeno elétrico que vai rivalizar com gigantes

O Solo é um veículo de um assento fabricado pela Electra Meccanica Vehicles, e vai custar US$ 15.500. Até o final do ano, cinco mil deles estarão nas ruas de Los Angeles e mais 70.000 serão entregues nos próximos dois anos na costa oeste dos EUA, segundo a fabricante, que tem um valor de mercado de apenas US$ 44 milhões, mas
US$ 2,4 bilhões em pré-encomendas.

O triciclo pode reviver a f General Motors em Oshawa, Ontário, no Canadá, que pode fechar e deixar 3.000 desempregados.

“Tivemos algumas discussões em torno disso”, disse o CEO da Electra Meccanica, Jerry Kroll, acrescentando que nenhuma decisão foi tomada. “Nada me faria mais feliz do que recontratar todas aquelas pessoas, com um veículo desenhado e projetado no Canadá.

Para terminar, compartilhamos com vocês internautas a nossa terceira participação na Plataforma Latinoamericana de Veículos Elétricos. Em breve traremos mais notícias, e cobertura do primeiro ano da Mobilidade Elétrica em São Paulo.

Até a próxima, acelerando com vocês.