Vai faltar matéria-prima para baterias de carros elétrios?

bateria, carro, carro elétrico,
(Foto: Karolina Grabowska/ Pixabay)

Por Reuters

Níquel, cobre e outros minerais usados em baterias de veículos elétricos não são fontes inesgotáveis nem abundantes (veja o ranking abaixo). Cobre, níquel, lítio e minerais relacionados são componentes fundamentais usados em baterias de veículos elétricos e outros produtos. Sarah Maryssael, gerente global de suprimento de metais para baterias, disse em conferência que a Tesla trabalha com o cenário escassez no futuro próximo. Eis aí um problema para o futuro da indústria.

Maryssael disse que a Tesla está de olho no “enorme potencial” das minas na Austrália ou nos Estados Unidos, para garantir o mercado nas próximas décadas. Ou seja, mesmo com a mudança de paradigma entre combustível fóssil e energia solar, ainda assim outras fontes alternativas necessitam ser geradas em curto prazo.

A produção mineral de níquel é apresentada na tabela abaixo. A Rússia é o maior produtor, seguido pela Indonésia, Austrália, Canadá e Filipinas.

PaísProdução (t)Reservas (t)
Rússia262.0006.000.000
Indonésia203.0003.900.000
Austrália165.00024.000.000
Canadá137.0003.800.000
Filipinas137.0001.100.000
Nova Caledônia92.8007.100.000
China79.4003.000.000
Colombia72.0001.600.000
Brasil54.1006.700.000
África do Sul34.6003.700.000
Botswana28.600490.000
Venezuela13.200490.000
Madagascar1.300.000
República Dominicana960.000
Outros51.7004.500.000
TOTAL1.400.00076.000.000

 

Os prós e contra do carro elétrico, segundo o site AutoPapo

1. Mais “limpo”

2. Eficiente: Nem se compara a eficiência do elétrico (95%) com o motor a combustão (35%), que já deveria ter virado peça de museu há tempos.

3. Prático

4. Manutenção: Motor elétrico tem uma única peça móvel. E não ferve…

5. Custo por km: Cerca de três vezes mais eficiente, reduz o custo do km rodado.

6. Desempenho: Torque total desde que se encosta o pé no acelerador.

7. Opções de fontes de energia

Os contras do carro elétrico

1. Baterias: ainda pesadas, caras e de reciclagem complicada;

2. Emissões: O elétrico roda limpo, mas a produção de baterias e sua recarga podem gerar emissão de CO2.

3. Autonomia: Desde os primeiros elétricos, no início do século XX, este problema ainda não foi bem resolvido.

4. Recarga: Demandam horas para serem completamente recarregadas.

5. Pontos de recarga

6. Investimento inicial

7. Autonomia: Já saltou de 100 para 400 km nos últimos dois anos…

8. Opções: Ainda são poucos os fabricantes de carros elétricos e as opções para o consumidor.

Volks quer comprar Jac Motors para dominar mercado de elétricos

A chinesa é uma das parceiras que a VW usa para produzir e vender carros para os asiáticos, com permissão do governo chinês para que empresas estrangeiras assumam controle de suas parceiras chinesas.

O Grupo VW é  o maior estrangeiro a operar na China e contratou a consultoria Goldman Sachs para avaliar as formas de concluir o negócio. Já foram vendidos 4,21 milhões de carros por lá em 2018. As outras montadoras aceleraram processos também. A BMW já assumiu o controle de sua maior joint-venture chinesa, a Brilliance. Já a Daimler deve aumentar sua participação na BAIC Motors.

Vem aí o dia da mobilidade elétrica! Maio, dia 26. Marque na Agenda!