Vai faltar matéria-prima para baterias de carros elétrios?

bateria, carro, carro elétrico,
(Foto: Karolina Grabowska/ Pixabay)

Por Reuters

Níquel, cobre e outros minerais usados em baterias de veículos elétricos não são fontes inesgotáveis nem abundantes (veja o ranking abaixo). Cobre, níquel, lítio e minerais relacionados são componentes fundamentais usados em baterias de veículos elétricos e outros produtos. Sarah Maryssael, gerente global de suprimento de metais para baterias, disse em conferência que a Tesla trabalha com o cenário escassez no futuro próximo. Eis aí um problema para o futuro da indústria.

Maryssael disse que a Tesla está de olho no “enorme potencial” das minas na Austrália ou nos Estados Unidos, para garantir o mercado nas próximas décadas. Ou seja, mesmo com a mudança de paradigma entre combustível fóssil e energia solar, ainda assim outras fontes alternativas necessitam ser geradas em curto prazo.

A produção mineral de níquel é apresentada na tabela abaixo. A Rússia é o maior produtor, seguido pela Indonésia, Austrália, Canadá e Filipinas.

País Produção (t) Reservas (t)
Rússia 262.000 6.000.000
Indonésia 203.000 3.900.000
Austrália 165.000 24.000.000
Canadá 137.000 3.800.000
Filipinas 137.000 1.100.000
Nova Caledônia 92.800 7.100.000
China 79.400 3.000.000
Colombia 72.000 1.600.000
Brasil 54.100 6.700.000
África do Sul 34.600 3.700.000
Botswana 28.600 490.000
Venezuela 13.200 490.000
Madagascar 1.300.000
República Dominicana 960.000
Outros 51.700 4.500.000
TOTAL 1.400.000 76.000.000

 

Os prós e contra do carro elétrico, segundo o site AutoPapo

1. Mais “limpo”

2. Eficiente: Nem se compara a eficiência do elétrico (95%) com o motor a combustão (35%), que já deveria ter virado peça de museu há tempos.

3. Prático

4. Manutenção: Motor elétrico tem uma única peça móvel. E não ferve…

5. Custo por km: Cerca de três vezes mais eficiente, reduz o custo do km rodado.

6. Desempenho: Torque total desde que se encosta o pé no acelerador.

7. Opções de fontes de energia

Os contras do carro elétrico

1. Baterias: ainda pesadas, caras e de reciclagem complicada;

2. Emissões: O elétrico roda limpo, mas a produção de baterias e sua recarga podem gerar emissão de CO2.

3. Autonomia: Desde os primeiros elétricos, no início do século XX, este problema ainda não foi bem resolvido.

4. Recarga: Demandam horas para serem completamente recarregadas.

5. Pontos de recarga

6. Investimento inicial

7. Autonomia: Já saltou de 100 para 400 km nos últimos dois anos…

8. Opções: Ainda são poucos os fabricantes de carros elétricos e as opções para o consumidor.

Volks quer comprar Jac Motors para dominar mercado de elétricos

A chinesa é uma das parceiras que a VW usa para produzir e vender carros para os asiáticos, com permissão do governo chinês para que empresas estrangeiras assumam controle de suas parceiras chinesas.

O Grupo VW é  o maior estrangeiro a operar na China e contratou a consultoria Goldman Sachs para avaliar as formas de concluir o negócio. Já foram vendidos 4,21 milhões de carros por lá em 2018. As outras montadoras aceleraram processos também. A BMW já assumiu o controle de sua maior joint-venture chinesa, a Brilliance. Já a Daimler deve aumentar sua participação na BAIC Motors.

Vem aí o dia da mobilidade elétrica! Maio, dia 26. Marque na Agenda!