Discrepâncias na aplicação de agrotóxicos, transição agroecológica e superfrutas brasileiras

(Fotos: Pixabay / Divulgação)

A coluna desta semana começa com uma notícia ruim que novamente envolve os agrotóxicos no Brasil: O limite de tolerância para a contaminação na água por agrotóxicos (pesticidas utilizados nas lavouras) é 5 mil vezes maior em nosso país do que o permitido na Europa.

A informação é do estudo Geografia do Uso de Agrotóxicos no Brasil e Conexões com a União Europeia, da pesquisadora Larissa Mies Bombardi, do Laboratório de Geografia Agrária da Universidade de São Paulo (USP) publicado recentemente.

Segundo o levantamento, o Brasil tem 504 agrotóxicos de uso permitido em solo nacional. Destes, 30% são proibidos na Europa. Tendo isso em vista, fica a reflexão: Por que os nossos critérios de autorização na utilização de agrotóxicos são tão diferentes do resto do mundo? Estaríamos tão avançados em relação as demais nações? Ou será que na verdade isso evidencia o nosso atraso?

Veja mais detalhes deste caso na reportagem do GO!

II. Transição agroecológica

Você já deve ter ouvido esse termo por aí, mas afinal, você sabe o que é transição agroecológica? Apesar de ser um conceito simples, nem todos sabem o significado deste termo que cada vez mais faz parte do cotidiano de produtores.

Transição agroecológica nada mais é do que o processo gradual de adequação das formas produtivas e de manejo de culturas e plantações para métodos sustentáveis e orgânicos. Ou seja, o jeito tradicional de agricultura dá vez a preocupação com a saúde e o meio ambiente. A utilização de pesticidas, agrotóxicos e fertilizantes industrializados se transforma no cultivo natural e orgânico.

O processo de transição ocorre a partir do momento em que o produtor decide mudar a filosofia de seu trabalho e vai até a obtenção dos selos orgânicos de certificação. Neste cenário, há algumas dificuldades como falta de experiência e recursos para as pessoas em conseguir essa adaptação completa e por fim obter o selo de certificadoras.

É aí que entra as linhas de crédito do Programa Nacional de Fortalecimento da Agricultura Familiar (Pronaf), que possibilita o financiamento de atividades voltadas para a transição agroecológica e também para a produção orgânica pelos agricultores familiares.

Iniciativas como a disponibilização de recursos e, principalmente, a capacitação dos produtores brasileiros são fundamentais para a evolução no fomento a agricultura ecológica. A expectativa é continuemos avançando neste quesito!

III. Superfrutas brasileiras

Em época de busca por alimentos com valores nutricionais cada vez mais completos para serem incorporados à nossa dieta, pesquisadores da Universidade Estadual de Campinas (Unicamp) em parceria com a Universidade de São Paulo (Usp) fizeram um levantamento que estudou o potencial cinco ‘superfrutas’ nativas da Mata Atlântica.

Já ouviu falar de grumixama, a cereja-do-rio-grande?Earaçá-piranga? Conheça mais sobre essas joias brasileiras à beira da extinção e toda a sua riqueza tradicional na reportagem do GO!