Atenção com os pets: tristeza e estresse causados pela solidão

(Foto: Pixabay)

Muitas pessoas que têm animais de estimação precisam deixá-los sozinhos em casa, mas a solidão pode causar vários problemas comportamentais e de saúde nos animais.

Por isso, confira a seguir os quatro principais motivos para não deixá-los solitários por muito tempo e descubra como evitar os problemas.

  1. Bagunça

Alguns cães, para descontar seu estresse, ansiedade, raiva e medo podem destruir objetos e partes da casa, cavar buracos, comer plantas e, além de deixar sua casa uma bagunça, acabam se machucando.

Para evitar o transtorno de ver sua casa destruída e seu pet machucado, estimule a atividade física. Passeie e brinque diariamente com seu bichinho para que eles gastem energia e também se sintam amados.

O carinho é a condição mais importante para que o animal tenha a segurança que você o ama e voltará sempre para casa depois de momentos de ausência.

  1. Automutilação

O cão pode morder ou lamber exageradamente extremidades do seu próprio corpo, como rabo e patas, machucando-se seriamente.

Para prevenir esse comportamento, crie um ambiente estimulante para ele. Um lugar agradável e cheio de atrativos fará com que o animal veja o lado positivo de ficar sozinho.

Disponibilize brinquedos educativos, ossinhos para que possam morder e objetos seguros que o animal goste de brincar. Também é possível deixar algum pano com o cheiro do dono para que ele se sinta seguro e não sofra com o medo de ser abandonado. Confira os melhores brinquedos para cachorro.

  1. Mudança de comportamento

O animal também pode passar a demonstrar agressividade, agitação, depressão e falta de apetite. Uma boa solução para evitar a mudança de comportamento é investir em adestramento.

O cão treinado por um profissional consegue ser educado desde pequeno a ficar sozinho sem grandes problemas. As técnicas de treinamento ensinam o cão a se comportar de forma adequada e não sofrer com a solidão. Aprenda a identificar e tratar a depressão canina!

  1. Ansiedade e pânico

Todos os sintomas citados anteriormente podem acontecer simultaneamente e indicar que o cão está sofrendo com a síndrome da ansiedade de separação. Quando isolado, o cão tem crises de pânico, late ou uiva desesperadamente, faz bagunça, se automutila e sofre com o medo de ser abandonado.

Não há provas que a doença tem propensão a ser desenvolvida por algumas raças específicas, mas cães de pequeno porte que geralmente convivem mais com seus donos ou cães que foram abandonados e sofreram na rua tendem a desenvolver a síndrome com mais facilidade.

Se você notar que seu cão apresenta esses comportamentos, procure por um veterinário e adestrador para que eles possam diagnosticar a doença e iniciar o tratamento. Geralmente, eles recomendarão adestramento e medicamentos para deixar o cão mais calmo, afirma a veterinária especialista em comportamento canino, Dra. Lívia Romeiro do Vet Quality Centro Veterinário 24h.

Além disso, existem algumas medidas que podem minimizar o sofrimento do animal. Mais do que estimular a atividade física, criar um ambiente interessante e investir em adestramento, não faça da sua despedida e chegada um grande evento e preze pelo conforto do seu pet.

Mais informações: https://www.vetquality.com.br/

** Com a colaboração da assessoria de imprensa