Sinais que seu bichinho de estimação não está bem

(Foto: Pixabay)

Nossos pets não falam, não reclamam, mas emitem sinais que demonstram que alguma coisa não está bem. É preciso observar e identificar as mudanças de comportamento ou físicas nos bichinhos, eles podem estar doentes.

​A Dra. Patrícia Tahan, médica veterinária, escreveu um artigo para o Blog +Pets com dicas sobre o significado desses sinais e a importância de procurar ajuda profissional.

Atenção: seu bichinho de estimação pode não estar bem

O proprietário/tutor deve sempre estar atento ao seu bichinho de estimação, observando a alimentação, ingestão de água e como estão as fezes e urina. Ele é a pessoa mais indicada para relatar ao veterinário o que é normal e o que está fora da sua rotina.

Em casa, pode analisar as fezes, se estão na cor e forma normais, a quantidade, a consistência, o odor. Em casos de verminose intestinal, pode demonstrar coçando o ânus no chão.

Da mesma maneira, avalia se o volume de urina está maior ou menor, a coloração e o odor, os quais também são característicos. Quando o animal está com dificuldade de urinar pode ficar por muito tempo na mesma posição ou ir várias vezes ao local que está acostumado a urinar e fazer pouca quantidade. Em alguns casos, a dor é intensa e o animal deixa de se alimentar e ingerir água.

Pode-se observar a presença de sangue nas fezes ou urina, se há presença de muco (semelhante a uma gelatina) ou outra secreção, os quais podem ser sinais de infecções ou parasitoses.

Muitas vezes os animais apresentam lesões na face, na cabeça ou no pescoço, por coçar os ouvidos quando há infecção e/ou inflamação. O balançar ou chacoalhar da cabeça e das orelhas podem também ser um indicativo de otites.

A tosse pode ser um sintoma característico de diversas doenças, desde bronquite, pneumonia até cardiopatias. Devem ser observados outros sintomas como presença de secreções purulentas ou sanguinolentas, língua azulada, dificuldade de dormir, secreções oculares, fadiga, entre outros.

Problemas dermatológicos são muito comuns na clínica veterinária e algumas infecções se iniciam após quadros alérgicos, onde o animal apresenta muito prurido e acaba ser ferindo por causa dele, favorecendo o crescimento de microorganismos na pele. Além de processos alérgicos, a coceira pode ocorrer por infecções bacterianas, fúngicas e por ácaros causadores de sarna. Presença de ectoparasitas, como pulgas e carrapatos, causa intenso prurido e muitas lesões na pele.

O importante é salientar que, ao perceber qualquer alteração no seu animal, o proprietário deve consultar seu médico veterinário de confiança antes que o quadro se agrave e o sofrimento seja maior para ambos.

A prevenção de doenças é a melhor maneira de cuidar de seu animalzinho. Deve-se evitar os problemas antes que eles ocorram, para minimizar sofrimentos dos animais e de seus proprietários e diminuir custos com tratamentos e internações.

Com alguns cuidados, seu animal estará sempre saudável e não trará riscos à saúde de sua família. Se tiver dúvidas, não demore em procurar a orientação de um Médico Veterinário, a vida de seu animalzinho pode depender disso.

** Dra. Patrícia Tahan – Médica Veterinária com pós-graduação em Homeopatia Veterinária e mestranda em Medicina e Bem-Estar Animal – NovoPet Clínica Veterinária e Pet Shop.

Saiba mais em: http://www.petshopnovopet.com.br/