A Mata Atlântica e a presença da Pecuária: em busca de um modelo sustentável

(Foto: Pixabay)

A pecuária, de corte e de leite é presente em todos os biomas brasileiros. Nos últimos anos a pecuária ficou em evidencia nos biomas do cerrado e da Amazônia pelo fato de estar presente de forma significativa, estima-se que mais do que a metade do rebanho brasileiro estão nestes dois biomas. Nos últimos anos iniciou-se uma ampla discussão sobre o modelo de pecuária implantado, seus impactos, tanto positivos como negativos nestes biomas.

Este artigo trata da análise do modelo de pecuária no bioma Mata Atlântica visando iniciar uma discussão sobre a necessidade de adequação da atividade de acordo com a legislação ambiental e, principalmente, desenvolver um modelo sustentável e viável economicamente.

A Mata Atlântica é um ecossistema considerado como um dos mais importantes em biodiversidade do planeta bem como um dos biomas mais ameaçados do mundo; é considerado um “hotspot” para a conservação (Tabarelli et al., 2005).

Citado pela Organização das Nações Unidas para a Educação, Ciência e Cultura (UNESCO) e, segundo o Decreto nº 5092 de 21/05/2004 no âmbito das atribuições do Ministério do Meio Ambiente, MMA, o Bioma Mata Atlântica é área prioritária para a Conservação, Utilização Sustentável e Repartição dos Benefícios da Biodiversidade.

Os ciclos econômicos, notadamente o do café, a pecuária e pastagens, foram responsáveis pela substituição da mata original por áreas produtivas, levando à redução da vegetação nativa a menos de 10 % dos níveis do século XVI (Fundação SOS Mata Atlântica/ INPE/ ISA, 1998; Golfari & Moosmayer, 1979; Terborgh, 1992; Zaú, 1998).

A Mata Atlântica originalmente estendia-se por 1.300.000 km², ou cerca de 15% do território nacional. Estende-se ao longo da costa brasileira entre os paralelos 30ºS (Rio Grande do Sul) e 6ºS (Rio Grande do Norte). Atualmente, restam menos de 8% da área original.

Na região Sul, o bioma abrange os estados do Rio Grande do Sul, Santa Catarina e Paraná, onde se destacam o plantio de lavouras de trigo, arroz, milho, soja, café, cultivos de eucaliptos e pinus, além da pecuária de corte e de leite.

Nos estados de São Paulo, Minas Gerais, Rio de Janeiro e Espírito Santo, na região Sudeste, destacam-se a produção da cana-de-açúcar, soja, citros e cultivos de eucaliptos e pinus e também as lavouras de algodão, milho, arroz, mamona e amendoim, e a pecuária de corte e leite, entre outros.

A Zona da Mata ou Mata Atlântica do Nordeste corresponde à parte da fachada oriental da Região, e abrange porções do Rio Grande do Norte, Paraíba, Pernambuco, Alagoas, Sergipe e Bahia. É uma faixa territorial onde a cana-de-açúcar é a cultura mais expressiva, seguida da pecuária de corte com pastagens introduzidas, da fruticultura e do reflorestamento com eucalipto para madeira e bioenergia.

Além disso, dadas as suas características topográficas, onde grande parte das áreas com potencial produtivo estão localizadas em áreas de preservação permanente, as atividades agropecuárias e de silvicultura ficam restringidas pelas disposições da legislação ambiental.

O modelo da pecuária no bioma Mata Atlântica foi caracterizado pela ausência de arvores nos pastos, como foto abaixo, presença de processos erosivos e baixa produtividade com lotação que não atinge 1 cabeça por hectare.

O modelo da pecuária sustentável para o bioma Mata Atlântica deve ser caracterizado pela presença de arvores nos pastos, adequação ambiental de acordo com a legislação vigente e pelo aumento da produtividade.

Os sistemas de integração lavoura-pecuária-floresta ganham especial destaque, como alternativa de uso do solo, na medida em que proporcionam maior sustentabilidade da produção agrossilvipastoril, pela melhoria de atributos biológicos,  físicos e químicos do solo, melhores condições de conservação da água e do solo, principalmente em relevos acidentados e susceptíveis à erosão.

Ilustramos com foto a seguir o modelo silvipastoril com presença de eucalipto e pastos com produtividade de até 3 cabeças por hectare. Este modelo representa um aumento de renda por hectare através do valor da madeira, além de viabilizar o bem estar animal com a presença de sombra para o rebanho.

O modelo de uma pecuária sustentável no Bioma Mata Atlântica se justifica pela necessidade de restauração das áreas ambientais e recuperação das áreas de pastagens, visando um modelo de produção sustentável que promova a viabilidade técnica, econômica e socioambiental das regiões e propriedades. Ou seja, um modelo que promova os impactos positivos no meio ambiente e no sistema produtivo.