Aquicultura: Piscicultura em tanques redes

(Foto: Pixabay)

O cultivo de peixes em tanques-rede vem crescendo em todo o mundo. Esse tipo de cultivo permite a utilização de rios, reservatórios, lagos e açudes que não podem ser utilizados nos cultivos tradicionais.

A utilização de tanques-rede é uma modalidade da piscicultura intensiva, praticada geralmente em corpos d’água de grandes dimensões onde o produtor não poderia estabelecer domínio dos lotes de criação ou de áreas que não podem ser esgotadas totalmente e não permitem o uso de redes para a captura. Os primeiros cultivos com essa metodologia foram utilizados no Vietnã onde os piscicultores engordavam peixes de valor comercial em cestos ou gaiolas de bambu.

O sistema de cultivo de peixes está bem próximo da cultura dos pescadores, com o peixe e o ambiente aquático fazendo parte do seu cotidiano, surgindo como atividade econômica alternativa onde a pesca está em declínio, gerando emprego e renda.

Além disso, o cultivo de peixes em Tanques-rede ajuda no desenvolvimento da cadeia produtiva; contribui para a redução das importações de pescado; e aumenta a oferta de proteína animal à população.

No cultivo em tanques-rede os peixes são confinados em altas densidades, dentro de uma estrutura onde os animais recebem ração balanceada, e que permita uma grande troca de água com o ambiente. A alta taxa de renovação de água dentro do tanque-rede é o principal fator que viabiliza a alta densidade populacional e a produção de uma grande biomassa de peixes por unidade de volume (50 a 250 kg/m³), já que supre a elevada demanda por oxigênio e remove os dejetos produzidos.

** Este artigo foi escrito pelo zootecnista André Barbosa Pereira