2019: Onde vai brilhar energia renovável

(Foto: Freepik)

A volta das férias renova nossas expectativas de que nos próximos anos, nem governo, nem mercado, vão atemorizar os empreendedores que querem investir em energia limpa e renovável. Não se trata – ainda – de convicções puras. Mas de demanda.

Regra pura e simples que regulamenta o senhor mercado. Se o governo brasileiro vier com gás necessário, não vai perder essa onda verde. E não deem créditos para o discurso de que o Brasil é o país que tem mais investimentos em energia limpa, por conta do domínio das hidrelétricas. O Brasil será esse país quando as fontes renováveis equilibrarem a balança, hoje bem desproporcional.

A capacidade instalada do Brasil super 150 GW, com predominância hidrelétrica.  O potencial hidrelétrico brasileiro é estimado em 172 GW, dos quais mais de 60% já foram aproveitados. Aproximadamente 70% do potencial ainda não aproveitado está localizado nas bacias hidrográficas Amazônica e Tocantins – Araguaia.

Mercados de energia renovável para observar em 2019

Por Site O Petróleo

Brasil: Solar

“Com a queda dos preços de leilões e o desejo de soluções mais voltadas para o mercado quando se trata de fontes renováveis, muitos compradores, incorporadores e fornecedores vêem isso como a maior área de crescimento”, disse ele. “As taxas de retorno não são tão finas quanto as rodadas competitivas de compras.”“Projetos com tamanho acima de 5 megawatts aproveitam uma mistura de PPAs bilaterais e preços spot, dependendo de onde eles estão localizados”, disse Parikh, da Wood Mackenzie.

Argentina: Eólica e solar

A Wood Mackenzie Americas Power & Renewables acredita que novas políticas nacionais de medição de redes poderiam estimular o crescimento de sistemas solares distribuídos de até 300 quilowatts em toda a Argentina. .

Bélgica: Armazenamento de energia

Projetos anunciados recentemente no país incluem  demonstração de bateria de fluxo totalizando aproximadamente 5,5 megawatts-hora de capacidade e um sistema Tesla de 18 megawatts em Terhills, leste da Bélgica, fornecendo controle de reserva e frequência nos mercados de comercialização de eletricidade.O maior sistema de armazenamento por trás dos medidores da Europa, com 4,3 megawatts de potência, foi instalado na Bélgica, disse Alex Eller, analista sênior de pesquisa de energia da Navigant Research.

China: Armazenamento de energia

A China está no topo da lista para praticamente qualquer observador de renováveis. Em 2018  foram mais de 2,2 gigawatts de novos projetos de armazenamento eletroquímico planejados ou em construção, de acordo com a Aliança de Armazenamento de Energia da China.

Colômbia: Solar

Parikh, do Wood Mackenzie, disse que ainda há uma quantidade significativa de entusiasmo pela energia solar na Colômbia, apesar dos leilões serem adiados até março do ano que vem. O anúncio de projetos em escala de utilidade pública pela Enel e pela Celsia mostra que existem maneiras pelas quais as usinas acima de 20 megawatts podem pular um extenso processo de aprovação, embora o segmento comercial e industrial continue sendo a principal oportunidade de mercado na Colômbia.

Etiópia: Eólica

A Corporação Financeira Internacional espera ver um aumento no desenvolvimento eólico na Etiópia a partir do próximo ano, quando o país será o primeiro na África a se beneficiar da extensão do programa Scaling Solar da IFC. O programa tem tradicionalmente ajudado os governos africanos, além da África do Sul, a apoiar projetos solares financiados pelo setor privado. Mas na Etiópia também será estendido para cobrir o vento. O país pretende instalar 5,2 gigawatts de vento até 2020, hoje com 324 megawatts.

Itália: Solar

A Itália é um dos dois mercados solares do sul da Europa que já tiveram forte crescimento. O governo mira 72 terawatts-hora de geração solar por ano até 2030, acima dos 25 terawatts-hora atuais, disse Tom Heggarty, analista sênior de energia solar fotovoltaica global da Wood Mackenzie. Está planejando sete leilões conjuntos de energia eólica e solar entre 2019 e 2021.

Japão: Vento

Empresas como a Equinor estão de olho nos planos do Japão para a energia eólica offshore, que ficaram um passo mais próximos da realidade neste ano, quando a Tokyo Electric Power Company, a maior concessionária do Japão, sinalizou grandes investimentos na tecnologia.

Dada a hesitação histórica do Japão em apostar totalmente na energia eólica offshore, adicioná-la à lista de mercados a serem observados em 2019 pode se mostrar otimista. Mas o tamanho potencial do mercado significa que poucos vão querer perder a oportunidade de negócio quando ela finalmente ocorrer.

Portugal: Solar

Portugal, que há muito tempo tem uma posição mais favorável em relação às renováveis ​​do que a Espanha, parece disposto a se beneficiar de sua proximidade com o mercado espanhol.  O país também lança estratégias sobre bateria, com licenças de exploração de lítio em disputa neste ano.

Arábia Saudita: Solar

O mercado da Arábia Saudita ainda está pronto para liderar o Oriente Médio na demanda por energia fotovoltaica nos próximos cinco anos, disse Benjamin Attia, analista de pesquisa da Wood & Mackenzie. As licitações planejadas podem chegar a cerca de 4 GW de energia fotovoltaica em desenvolvimento até o final de 2019.

Espanha: Solar

Tom Heggarty, da Wood Mackenzie, disse que mais de 20 gigawatts de projetos solares esperam licenças de conexão à rede em toda a Península Ibérica.

Cerca de 4 GW de capacidade foram concedidos através de leilões do governo espanhol em 2017, mas alguns desenvolvedores vêem mais potencial na assinatura de PPAs de serviços públicos ou corporativos. Com preços tão baixos quanto € 40 (US $ 46) por megawatt-hora, a Espanha é “toda sobre energia solar não subsidiada”, disse Heggarty.

Estados Unidos: Armazenamento de energia

Os EUA lideram o mundo em armazenamento de energia e seu mercado de 2019 será forte. Principalmente para investimentos em linhas de metrô

Para a ação de primeira linha, “fique de olho nas Carolinas”, disse Daniel Finn-Foley, outro analista sênior de armazenamento de energia da Wood Mackenzie. “O pesado investimento da Duke no armazenamento poderia despertar interesse em todo o sudeste”, disse ele.

Esperemos uma jornada cheia de energia, pouco choque e muita luz em 2019. Contem com esse blog e editor.