Desmoronamento impressionante de obras na usina hidrelétrica de Sinop (MT)

Chuvas podem ter causado o desmoronamento na barragem em construção da usina no Rio Teles Pires fica a 70 km do perímetro urbano de Sinop. As imagens gravadas por um funcionário semana passada são impressionantes.

A hidrelétrica fica no município de Sinop, a 503 km de Cuiabá. Ninguém ficou ferido.

Em nota, a empresa declarou que está sendo feito o monitoramento diário para identificar problemas na estrutura da rocha, por conta das escavações e detonações. Com isso, a área foi isolada e os equipamentos e funcionários retirados do local.

Uma equipe técnica deve fazer uma avaliação para definir quais medidas serão adotadas para a reconstrução do talude.

Segundo a assessoria da empresa, os trabalhos seguem normalmente e que parte dos trabalhos ainda continuam sendo executados.

A usina fica a 70 km do perímetro urbano de Sinop e está sendo construída no Rio Teles Pires. O reservatório abrangerá os municípios de Cláudia, Itaúba, Ipiranga do Norte, Sinop e Sorriso. As obras têm investimento de R$ 1,8 bilhão.

A hidrelétrica irá gerar uma quantidade de energia elétrica suficiente para atender 1,6 milhão de pessoas, quase 50% da população mato-grossense, conforme a assessoria. O reservatório terá uma área de inundação de 337 km quadrados ou 33,7 mil hectares.

Saiba mais aqui.

 

Bons ventos sopram para uma nova profissão no setor de energia 

Há vagas. Enquanto o desemprego se tornou um F-5 (escala mais elevada para tormentas como furacão e ciclones) no Brasil, um outro cenário ilumina um novo segmento econômico. O operador de mercado livre precisa de certificado e deve se transformar em profissão multidisciplinar, destinada principalmente a engenheiros, economistas e advogados.

Na prática é uma oportunidade para o profissional que não deseja ficar na universidade ou dedicar-se a outras ocupações mais tradicionais. O salário inicial varia de R$ 7 mil a R$ 8 mil, além de bonificações semelhantes às dos operadores do mercado financeiro.

O mercado livre de energia é um ambiente de negociação, semelhante a uma bolsa, onde cada consumidor negocia o custo, os prazos de fornecimento, a forma de pagamento de cada tipo de energia em diferentes fontes: hidrelétrica, eólica, solar, biomassa ou térmica. Toda usina de energia está autorizada a vender um determinado número de megawatts por ano.

O mercado livre representa 25% de toda a geração de eletricidade distribuída no país coordenada pelo Sistema Interligado Nacional (SIN), que redireciona a energia conforme a necessidade pelo território brasileiro.

O próximo exame será em 24 de outubro, mas as inscrições já estão encerradas. Em 2016, as inscrições começam em junho. Atualmente são 53 profissionais certificados, embora o mercado opere com 300 funcionários. No Brasil existem mil empresas que comercializam energia, como a CPFL e a Light, além da Petrobras, Votorantim e usinas de etanol que poderiam empregar esse profissional. Os grandes consumidores, como Volkswagen e Ford, e empresas produtoras de aço e ferro, como a Companhia Brasileira de Alumínio, também podem contratar esse profissional.

 

Alta Tensão

 

Dólar alto é o novo vilão das contas de luz; aumento pode chegar a 9,5%

Além dos efeitos da estiagem, que representaram aumentos superiores a 50%, agora é o dólar que vai pressionar os próximos reajustes das distribuidoras do Sul, Sudeste e Centro-Oeste. A explicação está na cota que cada empresa tem de energia de Itaipu, que é cotada em dólar.

Saiba mais aqui.

 

TCU autoriza leilão de 29 hidrelétricas

O leilão vai se concentrar na oferta de usinas que já estão prontas e em operação há décadas, mas que não aderiram ao plano de renovação do contrato de concessão proposto pelo governo em 2013. Ilha Solteira e Jupiá são os principais empreendimentos do leilão, respondendo por R$ 13,8 bilhões.

Outros detalhes no Jornal Estado de S.Paulo

 

Fonte solar será responsável por 7 mil MW na matriz elétrica até 2024

Segundo o Plano Decenal de Energia Elétrica 2024 (PDE 2024), a energia solar será aproximadamente 4% da matriz elétrica brasileira. Atualmente, a fonte é responsável por apenas 0,02% da potência elétrica do país.