NEGÓCIO DA CHINA: ESGOTO TRANSFORMADO EM ELETRICIDADE

Foi se o tempo em que os chineses abriam os olhos, com o perdão do trocadilho, para o comércio eletrônico e de produção de consumo. O governo chinês resolveu abrir os cofres para o futebol e para a produção de energia.

Pesquisadores chineses acreditam ter criado um material que pode ajudar a melhorar a eficiência de baterias biológicas que se reproduzem no esgoto. “Sabemos, por exemplo, que o tratamento de efluentes orgânicos consome atualmente de 3% a 5% de toda a energia elétrica produzida nos Estados Unidos. Também percebemos que as águas residuais contêm nove vezes mais energia do que é necessário para o seu tratamento. Em outras palavras, alguns métodos mais eficazes para o tratamento de efluentes orgânicos poderiam fornecer energia em vez de gastar”, destaca ao Correio Braziliense, Zhiyong Tang, um dos autores do estudo e pesquisador da Academia Chinesa de Ciência.

O invento, um tipo de aerogel fabricado com grafeno, derivado do carbono que tem sido muito utilizado em estudos tecnológicos, foi apresentado na revista Science Advances. Um dos possíveis usos futuros da tecnologia, portanto, seria o de transformar as estações de tratamento de esgoto em usinas de energia.

O especialista e colegas chegaram a uma combinação do aerogel de grafeno com nanopartículas de platina. O novo material foi incorporado a duas pequenas células que produzem energia a partir do consumo de resíduos orgânicos existentes no esgoto por bactérias da espécie Shewanella Oneidensis. Os resultados foram positivos, gerando energia suficiente para abastecer um pequeno temporizador. Os testes também foram feitos em uma instalação de tratamento de águas residuais municipais em Pequim com sucesso..

 

Alta Tensão

 

Senado vai votar projeto que permite uso do FGTS para microgeração

O projeto pode ser votado na próxima quarta-feira (17). O consumidor deverá comprovar três anos de carteira assinada e instalar os equipamentos em propriedade no seu nome.

Fonte: Canal Energia

 

País aposta em novas fontes renováveis

As novas fontes renováveis de energia, formadas por usinas eólicas, solares e de biomassa, foram as que mais cresceram nos últimos anos no Brasil. Entre 2005 e 2014, a produção desse tipo de energia aumentou 146%, enquanto as hídricas avançaram 10%; o petróleo, 38%; e o gás natural, 80%, segundo o Balanço Energético Nacional 2015 (BEN).

O setor de energia eólica prevê crescimento de 40% em 2016, com investimento de R$ 28 bilhões e a geração de 50 mil empregos, de acordo com dados divulgados pela Abeeólica.

Fonte: Jornal de Brasília

 

Japão começa a construir a maior usina flutuante de energia solar do mundo

O projeto prevê a construção de 51 mil painéis flutuantes para abastecer cerca de 5 mil residências até março de 2018. Quando ficar pronta, se tornará a usina de energia solar flutuante mais potente do mundo.

Fonte: Casa Vogue