Blog neWS Energia: O que o gelo e o açúcar tem em comum à luz da ciência?

O que o gelo e o açúcar tem em comum à luz da ciência? Ganhou quem respondeu energia

Duas soluções inovadoras, criativas e de custo baixo – comparando-se com outras fontes de geração de eletricidade – tornam possível melhorar a qualidade de vida e torná-la mais prática também. No Amazonas, onde a umidade é alta e o calor infernal, o Instituto Mamirauá (ligado ao Ministério da Ciência, Tecnologia e Inovação), criou o projeto Gelo Solar: tecnologia para conservação de alimentos em comunidades isoladas da Amazônia.

No outro Norte, o da América, pesquisadores da Universidade Brigham Young, de Washington (EUA), criaram uma célula de combustível que retira energia elétrica a partir da glicose e de outros açúcares. Um feito incrível, se pensarmos que o mesmo carboidrato que abastece o corpo humano pode se tornar fonte de energia para alimentar a tecnologia das coisas, desde celular, eletrodomésticos até equipamentos de veículos.

Gelo e Sol

Na Vila Nova do Amanã, município de Maraã (AM) serão instaladas três máquinas com sistema fotovoltaico inovador, que capta a energia do sol para a produção de gelo. Desta forma, populações tradicionais poderão conservar seus produtos, transportar alimentos mais conservados, agregando valor e aumentando a renda familiar.

A máquina pesa cerca de 300 quilos e foi produzida a partir de tecnologia desenvolvida pelo Instituto de Energia e Ambiente, da USP. Utiliza  matriz energética sustentável e não requer baterias, que todos sabemos possuem metais que afetam o meio ambiente.

O sistema fotovoltaico precisa de 60 painéis solares. Simultaneamente será instalado um outro para captação de água de chuva para a fabricação do gelo. Até 13 de agosto a máquina será testada. A inauguração será em 15 de agosto.

A questão energética na Amazônia

Na região do médio Solimões o fornecimento de energia elétrica para áreas rurais é feito através de pequenas termelétricas a diesel, com alto custo operacional. Isso limita a conservação do alimento e a comercialização do pescado vendido nos centros urbanos. Em Vila Nova do Amanã, o mercado esta a 18 horas de viagem por via fluvial.

O projeto Gelo Solar foi premiado em iniciativa do Desafio de Impacto Social Google, que concedeu uma premiação de R$ 500 mil para as criações vencedoras.

Doce Energia

Do Gelo Solar para o Açucar Eletrizante. Saiu no Catraca Livre que pesquisadores da Universidade Brigham Young, de Washington (EUA), criaram uma célula de combustível que transforma glicose e carboidratos em energia elétrica. Eles descobriram que um herbicida para ervas daninhas é capaz de quebrar as moléculas do açúcar e se torna um catalisador de elétrons. O trabalho é transferi-los para um eletrodo, que gera energia.

Como o herbicida é de baixo custo, os cientistas projetam uma grande vantagem econômica. Estas células são vantajosas também se comparadas às base de hidrogênio e usam platina como catalisador, metal precioso e caro, mas funcional.

 

Curtas Elétricas

Sábado é dia ir às ruas pelas florestas e pelo futuro

No Dia da Mobilização Nacional pelo Desmatamento Zero serão realizadas atividades em todo o Brasil para chamar atenção para a urgência de se proteger as florestas e coletar assinaturas em apoio ao projeto de lei pelo Desmatamento Zero.

Saiba mais sobre o Desafio Salve as Florestas

 

Abradee: índice de satisfação de consumidores está em 77,3% 

O resultado da 17ª Pesquisa de Satisfação do Cliente Residencial de 2015 manteve a média, mas é o menor índice dos últimos quatro anos. A associação prepara nova pesquisa para captar o impacto das altas das tarifas.

 

Eletrobras e Fundação Vanzolini realizam capacitação em gestão de sistemas de energia

O curso de Formação de Auditor Líder do Sistema de Gestão da Energia – Norma ISO 50001: 2011 acontece de 18 a 20 de agosto, em São Paulo. O objetivo da capacitação é interpretar os requisitos da norma dentro de um contexto de uma auditoria.

Saiba mais no http://www.canalenergia.com.br/zpublisher/materias/Noticiario.asp?id=107450.

 

IPT desenvolve processo para obtenção do silício de grau solar

O silício de grau solar (SiGS) é empregado na produção de células solares fotovoltaicas, utilizadas na conversão da energia solar em energia elétrica. Em todo o mundo há apenas um projeto em fase industrial de produção de SiGS, na Noruega, e a demanda é ascendente.

Saiba mais em http://www.ipesi.com.br/Noticias/2967-ipt-desenvolve-processo-para-obtencao-do-silicio-de-grau-solar