Três décadas após desastre nuclear, Chernobyl ganha usina solar

(Foto: REUTERS/ Gleb Garanich)

A Ucrânia inaugurou uma usina solar em Chernobyl nesta sexta-feira, bem diante de onde uma usina elétrica, hoje envolta por um sarcófago gigante, causou o pior desastre nuclear da história três décadas atrás.

É como se da terra arrasada surgisse uma luz de esperança. Do monstro desolador nuclear que se reacende com a luz do sol. Pode ser piegas e poeta a interpretação, mas a notícia é eletrizante.

Construída em uma área contaminada, quase inabitável, 3.800 painéis produzem energia suficiente para dois mil apartamentos. “Não é só mais uma usina de energia solar”, disse Evhen Variagin, executivo-chefe da Solar Chernobyl LLC. “É realmente difícil subestimar o simbolismo deste projeto em particular”.

A usina solar de um megawatt é um projeto conjunto da empresa ucraniana Rodina e da alemã Enerparc AG, custou cerca de 1 milhão de euros e se beneficiou de tarifas renováveis que fixam um determinado preço para a eletricidade. A inauguração coincide com um aumento de investimento acentuado em recursos renováveis na Ucrânia. Entre janeiro e setembro mais de 500 MW de capacidade de energia renovável foram acrescentados ao país, mais do que o dobro de 2017, diz o governo.

É a primeira vez em que se produz energia no local desde 2000, quando a usina nuclear finalmente foi fechada. Valery Seyda, gerente da usina nuclear de Chernobyl, disse que parecia que o local jamais voltaria a fazê-lo.

Em abril de 1986 um teste mal-sucedido no reator número 4 da usina soviética lançou nuvens de material nuclear por toda a Europa e obrigou dezenas de milhares de pessoas a se retirarem.

Trinta e um funcionários da usina e bombeiros morreram na esteira do acidente, a maioria devido a doenças agudas causadas pela radiação. Mais tarde outras milhares sucumbiram a doenças relacionadas à radiação, como o câncer, mas o saldo total de mortes e os efeitos de longo prazo na saúde continuam causando um debate intenso.

Dois anos atrás um arco gigantesco de 36 mil toneladas foi erguido sobre a usina nuclear para criar um invólucro para bloquear a radiação e permitir que os restos do reator sejam desmontados em segurança. Yulia Kovaliv, que comanda o Conselho do Escritório Nacional de Investimento da Ucrânia, disse que os investidores querem aproveitar os benefícios de um esquema de subsídios generoso antes de o Parlamento realizar uma votação sobre sua revogação em julho do ano que vem.

(Reuters)

Carregamento rápido será 10 vezes mais caro na Europa. Imagine aqui!!!!

Os tarifários, como dizem em Portugal, serão anunciados em 15 de outubro, diz Henrique Sánchez, presidente da Associação de Utilizadores de veículos Elétricos (UVE), Os preços devem variar entre cinco e 10 euros por 100 km percorridos”. Em casa a previsão é de ser mais em conta. A rede Mobi.E tem 59 postos de carregamento rápido e 550 postos normal em Lisboa, que correspondem a cerca de 1250 tomadas.

ALTA TENSÃO

√ Encontro da Embrapa debate biocombustíveis e bioeconomia
√ Projeto de energia solar reutiliza baterias do Nissan LEAF e ganha prêmio
√ Ônibus Volare elétrico já roda em Curitiba
√ Vale avalia meta de 100% de energia renovável em suas operações