Conversa de vendedor: Palavras que acabam pesando no Bolso

(Foto: Reprodução)

Quem nunca ouviu: “Assine aqui, sem compromisso”, ou “O cancelamento pode ser feito sem problemas”, ou ainda “É o último dia dessa promoção, aproveite a oportunidade”?!

Frases desse tipo, tão comuns quando a gente vai comprar alguma coisa, fazem parte do repertório dos vendedores para atrair o consumidor e,  às vezes, até  enrolá-lo.

Quantas vezes ao comprar um sapato que está apertado, você não ouviu: “Com o uso, o sapato vai alargar”.

Na loja de tecidos: “Esse tecido não encolhe, não desbota, de jeito algum”.

Sem falar nas frases que mexem com o ego, exaltando qualidades que, nem sempre correspondem à realidade, e das gentilezas exageradas para “agarrar” o consumidor, como uma roupa que ficou larga ou apertada e o vendedor diz: “Caiu como uma luva…”

Aliás, conversa de vendedor é, sem dúvida, uma arma muito poderosa, da qual nem sempre o consumidor pode ou sabe como se defender.

É preciso não esquecer que o vendedor quer vender, tem metas a cumprir e foi treinado para convencer o consumidor a comprar.

Não se deixe envolver por essa conversa, para não se arrepender depois. Na hora da compra tenha em mente o que você quer e se o produto atende às suas necessidades.

E não se sinta na obrigação de comprar só porque foi bem atendido. Afinal, tratar bem o consumidor é um dever do vendedor, além de ser uma regra fundamental da boa educação.

Use o seu poder

Em primeiro lugar, planejando suas compras: comprando apenas o que precisa mesmo, evitando assim o consumo desnecessário e o desperdício.

Outra atitude importante do consumidor está diretamente ligada à responsabilidade social e ao futuro do planeta: evitando consumir produtos de empresas que poluem ou contaminem o meio ambiente, que se utilizam do trabalho infantil, que usam animais para testar seus produtos, que não se preocupam com a saúde de seus trabalhadores.

A atuação do consumidor consciente não para por aí: refletir, reduzir, reutilizar e reciclar são atitudes que fazem toda a diferença para chegar ao equilíbrio entre o que se precisa da Natureza e o que se devolve em troca.

O consumo consciente faz parte de uma luta mais ampla que envolve mudanças de atitudes diretamente ligadas à qualidade de vida, principalmente nas grandes cidades que cresceram desordenadamente e sem planejamento.

Saber comprar leva a saber escolher, analisar, avaliar, questionar, tomar posições, decidir, agir e resolver problemas, respeitando o meio ambiente, os direitos dos semelhantes e exigindo que os seus sejam respeitados.