Multinacionais investem miséria em startups e propagam como se fosse milhões

(Foto: Unsplash)

Olá startupeiros

Comentamos aqui, no começo deste blog, que as gigantes multinacionais perderam o bonde nos seus departamento de pesquisa e inovação. E vai daí que o empreendedorismo inventou as startups, solução mágica, eficiente, barata e de muita serventia para economizar alguns bilhões de dólares anuais em investimento de novos produtos. Assim os bancos tomaram conta desse segmento enquadrando fintechs, o que fez surgir outro fenômeno de sobrevivência no mercado: fintechs das fintechs.

O Santander certamente poderia valorizar mais quem está neste ramo, mas ainda é uma startup.  Mas fez um modelo interessante, conforme release de sua assessoria.

Santander 2019 contemplará empreendedores de todo o Brasil

Programa é voltado para universitários, startups e universidades que capacitem microempreendedores. Os melhores serão contemplados com aporte financeiro, bolsas de estudo e mentoria.

A segunda edição terá três categorias: Universidade & Microempreendedor, Universitário Empreendedor e aquela destinada à Startup. O Programa é a evolução dos Prêmios Santander Universidades, realizados até 2015 e durante os 11 anos de sua existência foram recebidas mais de 20 mil inscrições, 161 projetos premiados e R$ 11 milhões em prêmios.

O  problema, a meu ver, é que o projeto selecionado receberá aporte financeiro de R$30 mil, bolsa de estudos na Babson College – para professor e aluno – nos Estados Unidos e mentoria de até seis meses realizada pela ACE.

Em Startup  finalista receberá o valor de R$100 mil, além de bolsa de estudo na Babson College e mentoria de até seis meses realizada pela Endeavor.  Suficiente? Dados do Santander: desde 2002, a entidade destinou mais de €1.6 milhões de euros a iniciativas e programas acadêmicos. Suficiente?

Crédito sem passar pelos bancos

A fintech criou uma plataforma em que pequenos negócios podem pedir um empréstimo diretamente para investidores, por uma taxa mais baixa e sem a intermediação de um banco.

Batizada de IOUU (trocadilho com I Owe You, que em inglês significa eu te devo), a fintech  já emprestou quase 2,6 milhões de reais para 49 micro e pequenas empresas. A plataforma conta com mais de 8 mil usuários cadastrados, sendo 2.500 investidores.

Segundo reportagem da Exame, A IOUU não é a única brasileira a adotar o modelo. A Biva é uma das pioneiras do mercado. Criada em 2015, já recebeu aportes que vão desde David Vélez, um dos co-fundadores do Nubank, ao fundo KaszeK Ventures, dos fundadores do Mercado Livre.

A Nexoos surgiu logo em seguida, acelerada pela Oxigênio, da empresa Porto Seguro. Também atuam nesse mercado as startups Kavod Lending e a TuTu Digital. Em abril do ano passado, o Banco Central regulamentou essas fintechs e estabeleceu regras para o seu funcionamento.

Startups selecionadas para participar de feira com investidores em Miami

Ação faz parte do Consórcio Universitário Hemisférico, rede de universidades da qual a USP faz parte

Pluricell Biotech, @Tech Inovação Tecnológica para a Agropecuária e Kidopi terão a oportunidade de entrar em contato com representantes de 400 empresas da América, entre executivos de negócios, tomadores de decisões de tecnologia e empreendedores. As startups foram escolhidas em uma competição organizada pela Agência USP de Inovação (Auspin), em parceria com a Universidade de Miami (UM) e com o programa de mulheres empreendedoras do Centro de Resolução de Conflitos da USP (GLIP), no último dia 8 de janeiro, na Arena Santander, no campus da USP em São Paulo.

Startups selecionadas para o Agro IOT Lab 2018

Iniciativa da Vivo, Raizen e Ericsson. Conheça, abaixo, um pouco mais das selecionadas.

Ativa: Soluções de IoT e M2M para telemetria e gerenciamento remoto, como em estações meteorológicas e controles de irrigação.

Seive: Proteção contra incêndio em autopropelidos, ou seja, maquinários agrícolas através de sensores.

IoTag: Sistema de telemetria em nuvem, que controla um dispositivo de mineração de dados embarcado em maquinário agrícola. Auxilia a operação do maquinário com dados de rendimento, consumo e percurso.

Trace Pack: Soluções de IoT e rastreamento de produtos de alto valor agregado para o agronegócio com completa gestão de estoque e oferta de maior segurança e eficiência logística para clientes.

Agriconnected: Gestão e monitoramento de maquinário agrícola em tempo real através de inteligência artificial e dispositivo instalado nas máquinas.

@Tech: Plataforma que integra dados dos diversos dispositivos para auxiliar na gestão do pecuarista e indicação do momento ótimo de negociação do gado.