“Vaca Conectada” é novidade em feira de São Paulo

(Foto: Luciana Almeida)

A empresa chinesa Huawei apresentou o dispositivo “Vacas Conectadas” para monitorar a atividade dos animais no pasto, otimizar a gestão deles e aumentar a produção de leite, durante a Futurecom 2018, evento de tecnologia e telecomunicações.

Composto por um sensor de movimento, uma bateria e um módulo de comunicação que usa a rede móvel, o dispositivo é acoplado por uma coleira para monitorar constantemente o comportamento da vaca. As informações coletadas são enviadas para um servidor, onde uma plataforma consolida os dados e cria um perfil da rotina diária e personalizado.

“Por exemplo, quando a vaca entra em período fértil, ela fica mais ativa e essa diferença de atividade no padrão, o próprio sistema detecta e gera um alarme para o produtor. Então o produtor terá uma janela de tempo para fazer a inseminação artificial ou juntá-la ao macho”, explicou Marcelo Yamamoto, diretor de estratégia em marketing de IOT, ao ONB.

Segundo Yamamoto, o equipamento tem 95% de precisão para identificar o período fértil da vaca. “É um método menos invasivo e que respeita o ciclo hormonal e natural do animal. Em métodos tradicionais, como o usado na China, a detecção é de 75%. Aqui no Brasil, essa taxa de acerto é de 50% com inseminação artificial”.

Como resultado há redução dos custos de mão de obra e o tempo que a vaca fica sem bezerro. Na China, essa tecnologia já é utilizada em mais de 1 milhão de animais conectados e “houve um aumento de 25% na produção de leite, o que representa para o produtor um ganho de $420 dólares por vaca/ ano. Em cinco anos, que é o período total de vida útil do dispositivo e mais o período do serviço contratado, os produtores conseguem uma receita adicional de $2.100 dólares por vaca”, explica Yamamoto.

Além do ciclo de reprodução, o dispositivo também ajuda o produtor a fazer o rodízio das pastagens e a saber se o animal sai do perímetro determinado, se a vaca está doente ou pode ter morrido se não houver movimentação e se a coleira foi rompida.

A empresa não tem previsão para a comercialização do produto no Brasil.