Pimenta é do bem

(Foto: Vila Mulher)

Pessoas que consomem diariamente alimentos apimentados têm 14% mais chances de viver mais, segundo um estudo publicado online em Harvard. Os consumidores regulares de pimentas também apresentam menos chances de morrer por câncer, doenças respiratórias e cardiovasculares. Compostos bioativos da pimenta como a capsaicina já foram identificados em outros estudos como portadores de efeitos antioxidantes, antiobesidade, antiinflamatórios e anticâncer, mas outros estudos são necessários para determinar se existe uma relação direta entre o consumo e o menor risco de morte.

De qualquer forma, vale a pena conhecer um pouco mais sobre este ingrediente picante da nossa alimentação.

Os diferentes tipos de pimentas têm várias formas de preparo e modos de consumo, sendo uma das hortaliças mais versáteis para a indústria de alimentos.

As pimentas doces e picantes podem ser processadas na forma de pó, flocos, picles, escabeches, molhos líquidos, conservas de frutos inteiros, geléias etc. As pimentas picantes ainda são utilizadas pela indústria farmacêutica, na composição de pomadas para artrose e artrite, em emplastros, e também pela indústria de cosméticos, na composição de xampus antiquedas e anticaspas. A capsaicina, substância responsável pela pungência dos frutos, pode ainda ser utilizada como arma na forma de ‘spray’ de pimenta.

Os produtos do processamento de pimentas doces e picantes podem ser divididos em três tipos, de acordo com sua utilização na indústria de alimentos: (1) flavorizantes: frutos processados ainda verdes ou maduros, que dão apenas sabor e aroma ao alimento, sendo a coloração uma característica secundária; (2) corantes: sua função principal é dar cor aos produtos, como a páprica vermelha, que pode ainda ser suave ou picante; (3) pimentas picantes: usadas para a confecção de molhos em pastas (ou líquidos) ou em conservas, como os tipos ‘Malagueta’ e ‘Jalapeño’.

Tipos de Pimenta
Pimenta Calabresa: É obtida a partir da desidratação e flocagem da pimenta vermelha. Muito usada na culinária brasileira, principalmente na elaboração de linguiças e outros embutidos, que ficam com um sabor mais picante.

Pimenta Habanero: Em forma de lanterna, é a mais forte das pimentas e seu sabor persiste bastante na boca. As cores variam entre amarelo, laranja e vermelho. Originária do Caribe e da costa norte do México, foi a primeira pimenta a ser cultivada pelos Maias. É usada fresca, seca ou em molhos bem diluída.

Pimenta da Jamaica: Encontra-se em forma de baga, usada preferencialmente moída na hora. Aplica-se bem em conservas, marinadas, carnes de caça, charcutaria, doces, tortas e pudins, devido ao seu sabor pouco picante e ligeiramente adocicado.

Pimenta de Cheiro: Esta é uma das duas principais pimentas usadas na culinária brasileira. Conhecida também como pimenta bode, típica da culinária baiana e nordestina.

Pimenta do Reino: É a baga de uma trepadeira, cultivada nas regiões norte e nordeste do Brasil. É considerada a rainha das especiarias. Pode ser usada inteira ou moída na hora. É encontrada nas variedades branca, preta ou verde.

Pimenta Branca: A pimenta branca é a pimenta do reino madura e seca que é descascada. Bem menos picante do que a pimenta preta é encontrada em pó ou em sementes.
É utilizada em maioneses, peixes, molhos brancos, sopas claras e no tempero de saladas.

Pimenta Caiena: É uma variedade da malagueta. Além de saborosa, é uma pimenta que concentra a maior quantidade de vitaminas. Em pó, é usada em pratos que pedem um sabor mais picante.

Pimenta Cumari: Pimenta verde pequena, muito picante e ligeiramente amarga, vendida fresca e em conserva. É brasileira nativa, mas pode ser encontrada também na Itália.

Pimenta Jalapeno: Pequena pimenta de sabor picante e coloração verde ou vermelha quando madura, sendo amplamente utilizada na culinária mexicana. Esta pimenta é muito popular não só pelo seu sabor mas também pela facilidade com que suas sementes são removidas.

Pimenta Malagueta: Ideal para feijoada. Altamente picante, é uma das mais populares no país, medindo de 2 a 3 cm de comprimento.

Pimenta Dedo-de-moça: Mais suave que a malagueta e ligeiramente mais picante que a jalapeno, é também bastante difundida no Brasil. Presta-se a uma grande variedade de pratos. Saborosa, integra molhos e acompanha peixes.

Pimenta Síria: Usada para condimentar pratos da culinária árabe, como carne de esfiha, quibe, recheio de charuto, legumes, entre outros.

Pimenta Americana ou Doce: Apresenta frutos alongados de cor verde intenso e brilhante. É uma pimenta de baixo aroma e pungência doce, utilizada no preparo de vários pratos da comida brasileira, muitas vezes substituindo o pimentão.

Pimenta Chili: Proveniente do México, é uma pimenta extremamente picante, utilizada no preparo de pratos mexicanos e italianos. Ideal para sopas, cremes, molhos cremosos e de tomate, frutos do mar, carnes, aves, vegetais e coquetéis.