Dez dicas para consumidor aproveitar a Black Friday e não cair numa roubada

(Foto: Freepik)

Como aproveitar a Black Friday e não ser vítima da black fraude? A TopperMinds, empresa que modela negócios e soluções digitais, tem dicas importantes para o consumidor, que já se prepara para comprar o que precisa na maior campanha de varejo antes do natal.

consultor de planejamento e estratégia, Marcos Freitas, lista algumas dicas:

– A Black Friday, por causa de um movimento dos lojistas de quererem ganhar clientes antes do seus concorrentes, está mais diluída em novembro. Ela não ocorre mais apenas na sexta-feira e sim durante a semana ou até antes (o famoso “Black Month”, “Black Week” e derivados). E muitas vezes o melhor negócio não está na sexta-feira e sim antes. Então, caso um produto que a pessoa queira comprar atinja o preço esperado antes da sexta-feira, há chances dele não abaixar o preço depois.

– As lojas, especialmente os grandes varejistas online (Submarino, Magazine Luiza, Ponto Frio e outros) também no intuito de quererem atrair clientes e estimular a compra, criam muitas mecânicas de “promoções relâmpago”. Algumas vezes elas valem a pena, porém sempre pesquise antes em outras lojas o mesmo produto.

– Olhar sempre comparadores de preço, como Zoom e Buscapé. Ele são os melhores aliados do consumidor, especialmente o Zoom que possuí em todos produtos um gráfico mostrando o histórico de preço ao longo dos últimos 40 dias e seis meses. Se o produto tiver recentemente subido de preço e abaixado na Black Friday, voltando ao preço anterior, esse é um indício que é a famosa promoção “metade do dobro”.

– Varejistas utilizam muito e-mail marketing para divulgar os descontos da Black Friday, muitas vezes com uma dinâmica de descontos exclusivos para aqueles que abrem o e-mail marketing. Portanto, vale a pena se inscrever em algumas newsletters e ficar de olho na caixa de entrada de e-mail.

– Aplicativos de varejistas também são uma ótima forma para o consumidor se manter informado e receber em primeira mão notificações de ofertas da Black Friday. O e-commerce brasileiro se movendo em peso ao mobile e isso reflete na atenção que os varejistas dão aos aplicativos, os quais consideram essenciais para manter um relacionamento próximo com o consumidor. Tanto que muitos deles fazem promoções de Black Friday exclusivas para quem comprar via app.

– Utilizar o cartão de crédito virtual é uma excelente forma de criar mais uma camada de segurança para quem está comprando pela primeira vez ou tem receio em relação ao lugar que está comprando.

– Olhar o Reclame Aqui é também uma atitude recomendável, especialmente para uma loja que parece confiável, porém que a pessoa não tem muito conhecimento sobre.

– Ao comprar em lojas menores, o consumidor deve dar preferência a aquelas que possuem um tipo de sistema de pagamento como PagSeguro, PayPal ou MercadoPago, pois dessa forma existe um outro intermediário no processo da compra que tem como garantir tanto a segurança dos dados do cliente como interferir em prol do cliente caso dê algum problema.

– Atualmente os grandes varejistas estão muito bem estruturados para suportarem as demandas da Black Friday, especialmente em relação a prazo de entrega ser cumprido e a capacidade do site suportar milhões de acessos simultâneos. A chance do consumidor ter problemas diminuiu muito, mas casos isolados irão ocorrer.

– A medida que a data se tornou cada vez maior existiu um grande investimento do mercado de e-commerce como tudo, de lojistas até fornecedores de tecnologia, escolas e outros, para educar e preparar o varejista para a Black Friday. Então até os pequenos e médios varejistas hoje já estão muito melhores preparados e a chance do cliente ter problemas é bem menor. Mas claro, problemas sempre ocorrem e por causa disso é extremamente recomendável olhar a lista que o Procon-SP divulga anualmente de sites para serem evitados: http://sistemas.procon.sp.gov.br/evitesite/list/evitesites.php