Série “Todas as manhãs do mundo”

(Foto: Reprodução/ Vimeo)

 

“Todas as Manhãs do Mundo”, série que registra de forma cinematográfica o amanhecer da vida animal em alguns dos santuários naturais mais remotos do planeta. Lawrence Wahba, diretor, diretor de fotografia e narrador da produção, explicou que trata-se de produção inspirada em ideia original da bióloga e roteirista franco-alemã Judith Hausling, criadora de projeto chamado “Une Matin Sur Terre”. As filmagens ocorreram entre outubro de 2013 e fevereiro de 2015 em locais inóspitos e contrastantes, como a Amazônia Brasileira, a Savana da Zâmbia, o Ártico Norueguês, o Deserto da Baja Califórnia e a Floresta Temperada do Canadá, além, claro, do fundo do mar, onde Wahba registrou o amanhecer em seu lugar favorito: debaixo da água.

O primeiro episódio da série, que mostra o alvorecer na Amazônia brasileira. A série, inédita, será exibida no Brasil e na América Latina pelo canal Nat Geo em cinco episódios de 44 minutos.

Narrada em primeira pessoa de maneira informal e bem-humorada, a série também retrata os desafios enfrentados por Wahba e sua equipe enquanto se aventuravam para filmar a alvorada em diferentes biomas do planeta. Passar horas numa plataforma de madeira no topo das árvores, capotar de trenó no Ártico Norueguês – onde o sol não se pôs durante 18 dias de filmagens -, ser picado pelas famigeradas moscas tsé-tsé, entre outras, foram algumas das dificuldades enfrentadas pela equipe.

Assista o trailer de “Todas as manhãs do mundo”