A música na infância

(Foto: Reprodução)

É importante que, desde o início de sua formação, as crianças convivam com o universo musical. E isto pode ocorrer ainda no ventre uterino, visto que toda experiência vivenciada pela mãe é transmitida ao bebê.

É preciso ficar atento à reação do material sonoro na mãe, sendo criterioso na seleção do repertório musical e procurar a orientação de um musicoterapeuta para essa atividade. Para os bebês, alguns cuidados também devem ser observados, tendo em vista o desenvolvimento do sistema nervoso central.

Algumas creches costumam colocar os pequenos para dormir ao som de músicas clássicas. As melodias tranquilizam e fazem com que as crianças tenham um sono melhor. Além disso, professores usam canções em suas atividades diárias, como pano de fundo para a execução das atividades.

As melodias podem servir de grande auxílio inclusive na alfabetização. As canções infantis, acompanhadas de rimas e ênfases em sílabas, juntamente com o uso de gestos, ajudam a criança a falar corretamente e a se alfabetizar com maior facilidade. Além disso, o uso de sons pode melhorar a concentração das crianças e facilitar a aprendizagem de outros idiomas.

Esse recurso também é recomendado para tratar crianças autistas e outras com dificuldades de aprendizagem. O trabalho com músicas melhora a expressão e a comunicação, impulsiona o movimento, mexe com questões emocionais e facilita os relacionamentos. Tudo isso, com certeza, influencia positivamente no comportamento durante a infância.

Assista o vídeo:

*Délia Matos é musicista, maestrina e proprietária da Clínica Délia Matos.