Acordo de Paris já tem a adesão formal de 60 países

(Foto: François Guillot/ AFP Photo)

Nesta quarta-feira, 21 de setembro, 31 países ratificaram o Acordo de Paris sobre Mudança Climática, durante cerimônia na 71ª Assembleia Geral da ONU em Nova York.

Ao todo, o tratado teve a adesão formal de 60 países responsáveis por 47,5% das emissões globais dos gases de efeito estufa, como Estados Unidos, China e Brasil, ficando mais próximo de se tornar lei ainda este ano.

Para que o Acordo de Paris entre em vigor oficialmente, mais de 55 países responsáveis por 55% das emissões globais devem aderir ao documento. O primeiro requisito já foi cumprido e falta pouco para atingir o percentual determinado. Segundo a organização sem fins lucrativos World Resources Institute (WRI), 97 países representando 65% das emissões devem ratificar o Acordo até o fim do ano.

Se a projeção do WRI se concretizar, o Acordo de Paris será o tratado mais rápido a se tornar lei no mundo. O Protocolo de Kyoto, por exemplo, demorou sete anos para entrar em vigor.

“Estamos muito satisfeitos com a velocidade sem precedentes com a qual este acordo histórico vai entrar em vigor. Isso mostra que os governos compreenderam e responderam à urgência do desafio do clima – um desafio demonstrado pelo recorde de temperaturas registrado mais uma vez este ano. A ratificação pela União Europeia, que responde por 12% das emissões globais de gases de efeito de estufa, será fundamental para atingirmos o limite exigido de 55 países e 55% das emissões”, afirmou o diretor de The Prince of Wales’s Corporate Leaders Group, Jill Duggan.

Aprovado por 195 países em dezembro de 2015, o Acordo de Paris determina que os países tomem medidas para que o aquecimento do planeta seja limitado a 1,5ºC e não ultrapasse 2ºC, países ricos devem garantir o financiamento de US$ 100 bilhões por ano, e o acordo deve ser revisto a cada cinco anos.