A agricultura biológica pode ajudar a mudança climática reversa

(Foto: Reprodução)

Na COP 22, o papel da agricultura orgânica na luta contra as alterações climáticas e na promoção da diversidade foi o foco das discussões realizadas pela Federação Interprofissional do setor orgânico (FIMABIO).

Falando na ocasião, Andre Leu, presidente da Federação Internacional de Movimentos de Agricultura Orgânica (IFOAM), destacou o potencial da agricultura orgânica no apoio ao impulso global para combater as mudanças climáticas antes de chegar ao ponto de “não retorno”.

“A agricultura biológica pode ajudar a reverter a mudança climática porque pode remover o CO2 da atmosfera e armazená-lo como matéria orgânica do solo”, explicou ele, observando que um sistema biológico comum pode armazenar perto 3,5 toneladas de CO2 por hectare por ano.

O presidente da FIMABIO pediu ao governo marroquino para incluir a agricultura orgânica em seus planos de resiliência do clima.

Durante o evento, o FIMABIO distribuiu um documento intitulado “Manifesto para uma bio e Marrocos para apoiar o bio na África“, clamando incluir a promoção da agricultura orgânica na agenda da COP22.