COP 25: Confira o posicionamento de Brasil, Estados Unidos e Espanha

Na foto, o presidente da Espanha Pedro Sánchez (Foto: UN Climate Change)

A 25ª Conferência das Nações Unidas sobre Mudanças Climáticas (COP 25) começou, nesta segunda (02), e alguns países terão obstáculos para conseguir avançar nas negociações.

Negociadores brasileiros terão dificuldades dupla. Eles afirmaram à Agência Reuters que estão desinformados sobre os objetivos do governo na Conferência e ainda terão que lidar com a irritação de alguns países com a postura do presidente Jair Bolsonaro sobre a Amazônia.

O Brasil é um dos principais mediadores entre países desenvolvidos e em desenvolvimento durante os debates climáticos. Mas isso mudou com o recuo nas proteções ambientais no país.

No nível técnico, a postura de negociação do Brasil não mudou, mas existe incerteza no nível político. O ministro do Meio Ambiente, Ricardo Salles, afirmou que pressionará para ver o quanto o Brasil receberá dos US$ bilhões do financiamento ambiental previsto para os países em desenvolvimento.

Estados Unidos

A presidente da Câmara de Representantes dos Estados Unidos, Nancy Pelosi, disse que os americanos apoiam o Acordo de Paris, um mês após o presidente Donald Trump oficializar a saída do país do tratado climático.

A parlamentar, que integra um grupo de 15 representantes do congresso norte-americano, ressaltou que as mudanças climáticas são uma “ameaça existencial”, que podem resultar em problemas de saúde pública, econômicos e de segurança nacional.

“Temos uma responsabilidade moral com as futuras gerações de deixar para eles um planeta em melhor estado, no melhor estado possível”, disse.

Espanha

O primeiro-ministro da Espanha, Pedro Sánchez, afirmou que “somente um pequeno grupo de fanáticos nega as evidências” do aquecimento global e que os “fatos alternativos” precisam ser combatidos com ações, durante a abertura da COP 25.

Sánchez defendeu que a Europa deve liderar os esforços para redução das emissões de carbono na atmosfera e a participação das mulheres na ciência.

** Com informações da Reuters, France Presse e Associated Press