Preservação ambiental prolonga vida útil de Itaipu, diz estudo

(Foto: Itaipu)

A área de mais de 100 mil hectares de áreas preservadas segura os sedimentos em torno da Usina Binacional de Itaipu e prolonga a vida útil da infraestrutura, mostrou um estudo apresentado na 25ª Conferência das Nações Unidas sobre Mudanças Climáticas (COP 25).

Segundo o diretor de Coordenação da Margem Brasileira da Usina, Luiz Felipe Carbonell, para que a usina continue produzindo energia “é necessário que a empresa atue na gestão territorial para assegurar a qualidade e a quantidade de água”. A preservação ambiental faz parte do negócio.

Com a atuação de Itaipu, as áreas protegidas foram reconhecidas como Reserva da Biosfera reconhecida pela Unesco.

A preservação ambiental da Itaipu integra as ações ambientais da usina para promover e implementar os 17 Objetivos de Desenvolvimento Sustentável da ONU (ODS)

Para o subsecretário geral da Departamento de Assuntos Econômicos e Sociais da Organização das Nações Unidas (Undesa), Liu Zhenmin, a usina é um exemplo mundial de que é possível aliar meio ambiente e desenvolvimento econômico. 

Zhenmin ressaltou que apesar de a Agenda 2030 incluir metas explícitas sobre água e energia, 800 milhões de pessoas no mundo ainda não têm acesso à eletricidade e 2 bilhões vivem em áreas de alto estresse hídrico. Ainda sim, o consumo de energia, até 2050, deve crescer 35% e o de água, 55%.

** Com informações da Agência Brasil