Suécia pretende colocar lei climática em vigor em 2018

(Foto: Flickr/ Neil Howard)

O primeiro-ministro da Suécia, Stefan Löfven, anunciou que o país planeja uma lei para colocar em prática medidas de combate ao aquecimento global, a partir de 2018.

Com a nova lei, a Suécia pretende estabelecer uma série de orçamentos para reduzir as emissões de gases de efeito estufa (GEE) em 85%, em relação aos níveis de 1990, até 2045. A poluição restante deve ser compensada com o investimento em projetos verdes no exterior.

“Essa é a reforma mais importante da geração que os políticos farão para os jovens suecos, nossos filhos e netos. A Suécia será um dos primeiros países desenvolvidos livres de fósseis do mundo”, disse Löfven à Climate Home.

As políticas irão se centralizar na transformação do setor de transportes, incentivando o uso de automóveis elétricos e de biocombustíveis. Atualmente, quatro quintos da eletricidade sueca são geradas a partir de hidrelétricas e energia nuclear.

Em entrevista ao jornal sueco Svenska Dagbladet, o vice-primeira-ministra Asa Romson, do Partido Verde, afirmou que havia uma boa chance das medidas serem colocadas em prática mais rapidamente.

“Nós realmente temos toda a tecnologia que precisamos para ser cem por cento livre de combustíveis fósseis. O que nós não temos é um mercado para ele. Nós não temos uma economia que pode fazê-lo, até agora”, explicou Romson.

Apoiada por sete dos oito partidos, a lei irá obrigar a elaborar um plano de ação sobre o clima a cada quatro anos e a criar um órgão consultivo independente.

A nova legislação faz parte das metas traçadas pela Suécia no Acordo de Paris, um tratado internacional que visa manter o aquecimento global abaixo de 2ºC.

** Com informações da Climate Home