Retrospectiva 2015 – a lama que sufocou o Rio Doce

foto- divulgação

Passado o trauma da tragédia de Mariana, em Minas Gerais, que resultou em mortes, desabrigados, um distrito totalmente destruído, o de Bento Gonçalves e a poluição do Rio Doce, um dos principais da região com impacto na sobrevivência econômica dos moradores das cidades próximas. Qual a lição que vamos tirar desse acontecimento?

A exploração mineral vai continuar, e segundo o DNPM, Departamento Nacional de Produção Mineral, 16 barragens correm o risco de provocar novas tragédias no Brasil. Para quem não sabia, e para ficarmos apenas na região, o estado chama-se Minas Gerais, porque sua riqueza está exatamente na exploração mineral desde o seu descobrimento. Não é mera coincidência que a principal empresa exploradora dessa atividade chama-se Vale do Rio Doce. Teve gente, até altas autoridades da República que sugeriram a mudança da atividade econômica na região. Fazer o quê, cara-pálida? Procure conhecer um pouco da história e da economia do país, antes de abrir a boca.

O certo é que a mineração vai continuar e o que precisamos é tirar lições dessa tragédia e punir exemplarmente os responsáveis. Usar os erros para evitar novas catástrofes.

Só para exemplificar, a cidade de São Paulo teve dois grandes incêndios, na década de 1970, quando dois edifícios o Andraus e o Joelma, ambos no centro pegaram fogo, matando dezenas de pessoas. A lição marcou de tal forma a população e as autoridades, que São Paulo tem um dos mais rígidos códigos de edificações e leis, tendo como base as falhas encontradas naqueles edifícios. A tragédia serviu de base e lição.

Apenas para ficarmos na História, no ano de 64, depois de Cristo, na Roma Antiga, Nero o Imperador, usou um incêndio que devastou a cidade para acusar e matar muitos cristãos, dentre eles os discípulos Pedro e Paulo. Não vamos dar uma de Nero, né?

size_810_16_9_cidade-de-bento-rodrigues-em-minas-gerais-coberta-por-lama-apos-rompimento-de-barragemAlgumas notícias que seguiram a lama de Minas ao Espírito Santo

Ninguém imaginava o que seria aquele desastre socioambiental – com mortos, feridos, destruição e imagens impressionantes.

Resgate de animais emocionou o Brasil e o mundo.

O governo Federal demorou 11 dias para tomar medidas paliativas. O Ministério Público foi mais rápido e anunciou: uma somatória de ineficiências.

Onda de rejeitos da Samarco atingiu 663 km de rios e devastou 1.469 hectares

Briga judicial: a empresa, o futuro e a indenização

Um mês de luto, indignação e lama

Tragédia de Mariana foi tema na COP-21 e prefeito foi a Paris pedir ajuda

ONU entra na lama que sufocou o Rio Doce

A lama chega ao oceano Atlântico e devassa o caminho do Espírito Santo

Presidente da Samarco afirma que barragem que rompeu não funcionará mais.

O vídeo da BBC Brasil, com imagens das redes sociais, resume a agonia da vida no Rio Doce

https://youtu.be/dBGfR_sAGzQ

imagem - retirada do Facebook

imagem – retirada do Facebook