Hoje é Dia do Controle da Poluição por Agrotóxicos

(Foto: Reprodução/ Canal Rural)

Para conscientizar a população sobre o uso indiscriminado dos agrotóxicos e os problemas causados ao meio ambiente e a saúde, é celebrado hoje (11), o Dia do Controle da Poluição por Agrotóxicos.

Segundo a legislação vigente, os agrotóxicos – também conhecidos como defensivos agrícolas – são produtos e agentes de processos físicos, químicos ou biológicos, utilizados nos setores de produção, armazenamento e beneficiamento de produtos agrícolas, pastagens, proteção de florestas, nativas ou plantadas, e de outros ecossistemas e de ambientes urbanos, hídricos e industriais. Com o objetivo de modificar a composição da flora e da fauna, a fim de preservá-las da ação danosa de seres vivos nocivos.

Mas sabemos que os agrotóxicos destroem muito mais do que apenas os seres nocivos. Quando utilizado, ele atinge o solo, os lençóis freáticos e por meio da chuva ou do próprio sistema de irrigação das plantações, os pesticidas chegam aos corpos d’água, poluindo-os e intoxicando toda a vida presente neste ambiente. Além de contribuir para o empobrecimento do solo.

Desde 2008, o Brasil é o maior consumidor de agrotóxicos no mundo, crescendo 300% em dez anos (de 2002 a 2012). Atualmente, existem cerca de 15 mil formulações para 400 agrotóxicos diferentes, sendo que cerca de 8 mil encontram-se licenciadas em território nacional, segundo a  Agência Nacional de Vigilância Sanitária (ANVISA). De acordo com o dossiê elaborado pela ABRASCO (Associação Brasileira de Saúde Coletiva), cada brasileiro consome, em média, cinco litros de agrotóxico por ano.

Em 2015, o governo federal anunciou o lançamento do Programa Nacional para Redução do Uso de Agrotóxicos (Pronara), como uma das ações que integram o Plano Nacional de Agroecologia e Produção Orgânica (Planapo), criado em 2013, a fim de reduzir progressivamente o uso destes produtos nas plantações de todo o país. Porém, a iniciativa não entrou em vigor até o momento.

Além da ingestão de um produto contaminado, os agrotóxicos também afetam a saúde humana durante a sua fabricação e no momento da aplicação. Em quantidades exageradas, podem causar gravíssimos problemas de saúde.

Segundo a Agência de Proteção Ambiental dos Estados Unidos (EPA, sigla em inglês), o efeito do pesticida em uma pessoa depende do princípio ativo em sua composição, fazendo com que os problemas variem, desde irritação na pele até o desenvolvimento de câncer. Os inseticidas organofosforados, por exemplo, podem causar problemas neurológicos, como Alzheimer e transtorno do déficit de atenção com hiperatividade em crianças.

Outro fator preocupante é o uso de produtos contrabandeados por agricultores. Um levantamento divulgado, nesta terça-feira (10), pelo Sindicato Nacional da Indústria de Produtos para Defesa Vegetal (Sindiveg) constatou que o contrabando de defensivos agrícolas atingiu 30% de todo o consumo doméstico apenas em 2016.

Por isso, precisamos ficar alertas aos produtos que consumimos. Se não for possível comprar alimentos orgânicos, invista em marcas que se preocupam com a segurança alimentar e têm uma relação transparente com o consumidor.