Resultados da transição agroecológica são apresentados na Câmara

(Foto: Will Shutter/ Câmara dos Deputados)

Políticas públicas locais e ações que incentivam a agroecologia, com foco no controle biológico de pragas, foram os temas centrais da audiência pública da comissão especial da Câmara dos Deputados, que analisa a Política Nacional de Redução dos Agrotóxicos (PNARA).

O presidente da comissão especial, deputado Alessandro Molon, reforçou o aspecto de sustentabilidade ambiental e econômica da PNARA.

“Sei que a transição é um desafio: vive-se em um regime de concorrência, há oferta e demanda. Não é uma coisa simples, mas o orgânico pode ser produtivo, pode ser lucrativo e há caminho para isso. Senão, nós ficamos no falso dilema: produzir com veneno ou não produzir sem veneno”.

Já chefe-geral da Embrapa Meio Ambiente, Marcelo Morandi, afirmou que a redução do uso de agrotóxicos não tem solução única nem pressupõe apoio exclusivo à agroecologia.

Morandi classificou de “parcial” a proposta da PNARA e pediu “diálogo” em torno da adoção de boas práticas que garantam a segurança alimentar, inclusive no agronegócio. “A gente não pode colocar que apenas que um modelo é o correto e outros são equivocados”.

** Com informações da Agência Câmara Notícias