Agropecuária causou 70% das queimadas na Amazônia

(Foto: Ibama/ Vinícius Mendonça)

Cerca de 71% das queimadas em imóveis rurais, que aconteceram entre janeiro e junho de 2020, foram realizadas para o manejo agropecuário, constatou novo levantamento do Instituto de Pesquisa Ambiental da Amazônia (Ipam).

O estudo mostrou que outros 24% foram incêndios florestais e 5% decorrentes de desmatamento recente.

Entre 2016 e 2019, 64% dos focos de calor foram detectados em áreas recém-desmatadas (22%) ou convertidas para uso da agropecuária (42%). Outros 36% estavam relacionados aos incêndios florestais. No ano passado, o fogo em áreas recém-desmatadas na Amazônia respondeu por 34% dos focos de calor registrados na região, a maior taxa dos últimos quatro anos.

O Inpe detectou um aumento de 28% nas queimadas em julho, que passou de 5.318 (julho de 2019) para 6.803 (julho de 2020). Já o Pantanal teve 1.684 pontos de incêndios no mês de julho em 2020, o maior índice de focos de incêndio desde início das medições em 1998.